Eduardo Amorim critica o governo e defende impeachment

O senador Eduardo Amorim (PSC-SE) reafirmou na tarde da quarta-feira, 30, a sua posição sobre o governo Dilma Rousseff. Utilizando o Plenário do Senado Federal, como líder do PSC, o parlamentar foi enfático “sou favorável ao impeachment”, disse ao detalhar que “golpe é tirar direitos dos trabalhadores, golpe é prometer e não cumprir”.

“Em 1930, quando houve a recessão econômica, a crise foi uma causa externa; já hoje a causa é exclusivamente nacional. Ela é nossa e por isso que somos nós os responsáveis pela busca da solução. O governo que aí está, não vive apenas uma crise econômica ou política, ele vive uma crise de crédito”, credenciou o senador.

Para Eduardo Amorim, os brasileiros sofrem com aumento de impostos, inflação e desemprego, resultado da gestão irresponsável adotada há alguns anos no país. “A conta pega pelo contribuinte é uma das mais caras do mundo. Impostos federais, estaduais e municipais sofreram reajustes”, disse ao completar que a “triconta” chegou. “O ICMS subiu em 20 estados e no Distrito Federal”.

“Votei por diversas vezes com que o governo propôs. Não sou traidor, eu amo o meu país e quero o melhor para ele. Não acredito mais nesse governo que aí está. “Do jeito que está, não temos futuro. Nosso presente já está comprometido, mas não podemos ser irresponsáveis nem inconsequentes de comprometer o futuro de milhões e milhões de brasileiros, de gerações que nem nasceram”, afirmou Eduardo.

Sobre as manifestações na rua o senador disse “assim como o que está acontecendo no país, onde as vozes das ruas clamam por mudanças, os ecos ressoam em muitos estados e municípios brasileiros. Temos a certeza de que , Deus sabe o que faz, mas temos que aprender a lição”.