Marcelo Rezende é condenado a indenizar delegada de SE

O jornalista Marcelo Rezende e a Rede Record de Televisão têm até o próximo dia 10 de março para pagar a indenização no valor de R$ 15 mil à delegada de Polícia de Sergipe, Renata Aboim. O valor refere-se à indenização por danos morais por uma reportagem exibida em agosto de 2013. A determinação é da juíza Maria Alice Alves Santos Melo, não cabe recurso e caso o valor não seja pago, haverá multa em 10% sobre a condenação.

Em sua ação contra o jornalista, a delegada alega que durante a reportagem sobre um caso de agressão à mulher, o apresentador se dirigiu, de forma grosseira e agressiva, usando palavras depreciativas à imagem da delegada do Departamento de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV).

Renata Aboim afirma na ação que em seu programa, o jornalista dava a entender que ela estava sendo indiferente ao dano sofrido pela vítima e que ele se esqueceu de informar, no entanto, que o acusado (agressor no caso) já se encontrava preso em virtude de representação feita pela delegada, que tomou todas as providências cabíveis no prazo de apenas dois dias após ter conhecimento do fato.

“Logo após a prisão do acusado fui entrevistada por Marcelo Rezende e eu acredito que o apresentador gostaria que eu falasse de forma mais veemente, só que eu não estou aqui para fazer juízo de valor antecipado. Eu estou aqui para investigar. Eu não posso me manifestar sobre um caso que eu não havia finalizado”, explica a delegada, em entrevista ao Portal Infonet.

Ela acrescenta que em seu entendimento não cabia ao jornalista discutir o indiciamento, pois não havia erro técnico. “O jornalista pode criticar, mas ele distorceu a situação. Minha mãe e vários colegas me ligaram no momento da matéria. Ele denegriu a minha imagem. Foi uma situação desagradável, que poderia ter surtido efeito no meu trabalho, porque eu como delegada da mulher estou aqui para fazer um trabaho em prol da mulheres vitimas de violência. Ele quis dizer que eu agi de forma fria e indiferente ao sofrimento da mulher”, ressalta a delegada, alertando que na matéria ele mal fala do agressor.

A reportagem do Portal Infonet tentou por várias ligações à Rede Record Nacional para ouvir o apresentador e a empresa sobre a decisão, mas não obteve êxito. Falamos com a produtora do Cidade Alerta, identificada inicialmente como Dayse, que disse que precisávamos falar com a direção.  O diretor do programa, que se identificou como Felipe, disse que teríamos que falar com a comunicação ou o setor jurídico da empresa, mas a telefonista não atendeu o ramal. 

Infonet