Renda contra o Fla ajuda o Confiança a reduzir 58,8% de dívidas trabalhistas

O jogo contra o Flamengo pela Copa do Brasil ainda rende para o Confiança. Falando em rendimentos, vamos falar sobre o borderô da partida. Dos 741.169,88 reais que o clube receberia após descontos das chamadas despesas operacionais, bem como dos alugueis, taxas e impostos, outros 400 mil serviram para sanar boa parte de acordos com ex-atletas do clube azulino (58,8%). A diretoria proletária informou que espera zerar esses débitos até 2017.

- São causas trabalhistas antigas, que ocorreram antes da nossa gestão, nas quais tínhamos feito um acordo para pagar. E esse valor não foi uma surpresa para nós, estava dentro do nosso planejamento. Ainda ficou 280 mil de acordo trabalhista para pagar. As pessoas pensam que futebol é fácil. Se a gente não tivesse as dívidas do passado era bem melhor, bem mais fácil. O problema é que eu tenho um custeio atual e ainda tenho que organizar as coisas para pagar as dívidas do passado - explicou o presidente Luiz Roberto.

Muito se falou em relação ao uso de boa parte da renda para pagamento de folhas salariais e contratações de atletas para o andamento do estadual e, principalmente, para o Campeonato Brasileiro da Série C. Para Luiz Roberto, está tudo tranquilo, dentro dos conformes. Vale ressaltar que em relação às dívidas tributárias e previdenciárias (do fundo de garantia) o Confiança está zerado, tanto é que com isso aderiu ao ProFut. 

- Estamos avaliando alguns jogadores para reforçar nosso elenco ainda no estadual e, claro, para a Série C também. Inclusive ontem chegou o Linik Eduardo, do Vitória, por empréstimo, como vieram Dimas, Rômulo e Felipe Lima em 2015.  Por enquanto só esse está confirmado e já está treinando no Sabino Ribeiro - finalizou o presidente do Confiança.

Globo Esporte / SE