Veja como economizar na compra dos produtos para o almoço de Páscoa

A inflação nos produtos para a Páscoa está tão salgada quanto o tradicional bacalhau. Uma pesquisa da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) revelou que os importados – impulsionados pela variação do dólar – foram os que apresentaram maior alta, de quase 15%, em relação a 2015. A categoria de azeite teve seu preço elevado em 10,4%; o bacalhau e a cerveja em 8%.

Com preços mais salgados e orçamento das famílias mais restrito, segundo estimativas da associação, as vendas do setor devem cair em mais de 12% em termos reais neste feriado, em comparação à Páscoa do ano passado. Do outro lado do balcão, os economistas garantem que é possível economizar no almoço de Páscoa sem abrir mão de comemorar a data cristã como pede a tradição.

Para o educador financeiro José Vignoli, não importa o que a pessoa decida fazer, pesquisar preços é fundamental. Segundo ele, neste momento, também é importante se organizar para não gastar mais do que o necessário. “Pesquise tanto dos itens que deseja comprar, quanto possibilidades de substituição, como uma marca mais em conta”, recomenda.

O especialista ainda salienta que o almoço de sexta-feira da Paixão, assim como o de domingo de Páscoa não precisam ser sinônimo de grandes gastos. Veja como economizar:

– Procure planejar os encontros com antecedência, para se organizar quanto às receitas e ingredientes e quanto ao que cada pessoa deve levar;

– Combine com os convidados para que todos contribuam. Uma pessoa leva a salada, outra a entrada e assim por diante;

– Recebendo ou sendo convidado, pode-se contribuir com algo delicioso e delicioso. No site do Programa Mesa Brasil, do Sesc-SP, é possível inserir o ingrediente que possui em casa, o tipo de prato que quer fazer (entrada, sobremesa, etc.) e eles fornecem uma lista de receitas, todas baratas e de fácil preparo.

– “Para economizar na receita, o indicado é a substituição de alimentos. Por exemplo, trocar o bacalhau, que costuma ser caro, por um peixe típico da sua região”, ensina Vignoli. Outra opção é trocar itens importados, como azeite, pelos nacionais, que em geral são mais baratos.

– Se o almoço for feito para um número razoável de pessoas, vale a pena fazer as compras em atacados.