Grupos contra e pró-impeachment se manifestam em Aracaju

Duas manifestações foram realizadas neste domingo (17) em Aracaju. Um grupo se reuniu no Bairro 13 de Julho e comemorou a votação na Câmara Federal que aprovou a abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) e o outro que ficou concentrado na Orla da Atalaia lamentou o resultado.

As concentrações começaram por volta das 14h, quando foi iniciada a sessão na Câmara pelo presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Já a votação que começou por volta das 17h40 foi encerrada às 23h45 com os 367 votos favoráveis e 137 contrários para que processo seja encaminhado ao Senado.

Pró-impeachment

O grupo que protestou a favor da abertura do processo de impeachment acompanhou a votação através de um telão instalado no Bairro 13 de Julho e, de acordo com a organização, reuniu cerca de 2 mil pessoas.Os manifestantes chegaram ao local com uma faixa homenageando o juiz Sérgio Moro.

Contra o impeachment

O grupo que torcia contra a abertura do processo de impeachment ficou na Orla da Atalaia, um dos principais cartões postais da capital.  A organização informou que o ato reuniu cerca de 3 mil pessoas. 

Segurança

Os números dos manifestantes dos dois atos não foram  divulgados pela polícia.
A Secretaria de Segurança Públicade Sergipe  (SSP) montou um esquema para garantir a segurança nas manifestações e trabalhou com a Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros, Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) e Guarda Municipal. Cerca de 500 operadores da segurança pública trabalharam nos dois pontos da capital onde as manifestações foram realizadas.

Processo no Senado

Depois de aprovado na Câmara, o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff chega ao Senado nesta segunda-feira (18). Na Casa, são previstas três votações em plenário até a conclusão do processo:

- Os senadores terão que eleger uma comissão especial para analisar o caso. O colegiado será formado por 21 senadores titulares e 21 suplentes.

- O colegiado tem até 48 horas para se reunir e eleger o presidente. O relator terá prazo de dez dias para apresentar um parecer pela admissibilidade ou não do processo.

- O parecer será ser votado na comissão e depois irá ao plenário, que precisa  aprovar por maioria simples (metade dos presentes na sessão mais).

- Se aprovado o relatório no plenário, será considerado instaurado o processo, e a presidente será notificada. Ela será afastada por até 180 dias para que ocorra o julgamento, e o vice-presidente assumirá a Presidência da República.

- Neste período a presidente poderá se defender, e um novo parecer da comissão especial deverá analisar a procedência da acusação, com base na análise de provas. De novo, esse parecer terá que ser aprovado por maioria simples

- Se aprovado o parecer, inicia a fase de julgamento, que é comandada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal.

- Para que a presidente perca o cargo, o impeachment tem que ser aprovado por dois terços dos senadores - 54 dos 81.

- Os prazos previstos para cada etapa do processo poderão ser alterados de acordo com decisão do presidente do Senado.

G1/SE