Três pessoas mortas em atentado durante festa

O que seria um encontro para comemorar os santos de junho acabou em tragédia neste domingo, 19, em Aracaju. Três pessoas morreram em atentado ocorrido no bairro 18 do Forte durante uma festa junina organizada pelos moradores da rua General Joaquim Inácio. De acordo com testemunhas, que preferem o anonimato, dois homens chegaram de moto, um deles aguardou próximo ao veículo e o outro subiu a rua armado e já chegou no local atirando, matando um casal e um parente que estavam sentados participando da festa.

O casal foi identificado e os corpos já estão sendo liberados pelo Instituto Médico Legal (IML): Edinelson Silva Santos, 29, e Rayra Anick Santos Aragão, 24, que deixam dois filhos, um com um e outro com dois anos de idade, além de uma garota de nove anos, filha de Edinelson, fruto do primeiro casamento.

O primo de Edinelson, conhecido apenas como Fernando, saiu ferido e morreu na madrugada desta segunda-feira, 20, no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), mas o corpo ainda não chegou ao IML. A família das três vítimas não esconde a revolta. “Não sabemos de nada. Só sei que eles destruíram duas famílias e deixaram crianças sem pai e sem mãe”, desabafou Jeniffer, irmã de Rayra Anick. “Minha irmã era trabalhadora e ele trabalhava com ela”, conta a irmã.

Um outro primo de Edinelson, que estava com as três vítimas, revelou que o primeiro tiro disparado atingiu a cabeça de Rayra Anick e outros foram dirigidos a Edinelson. O primo deste, identificado apenas como Fernando, teria levantado e gritado: ‘não faça isso, pelo amor de Deus’. E acabou sendo a terceira vítima atingida. Edinelson Santos morreu no local, enquanto Rayra Anick e Fernando foram socorridos e encaminhados ao Huse. Anick morreu logo depois e Fernando nesta madrugada.

A assessoria da Secretaria de Estado da Segurança Pública informou que as investigações deste triplo assassinato serão conduzidas pelo Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), que ainda não definiu uma linha de investigação.

Informações de Cássia Santana / Infonet