Preço do feijão volta a crescer no mês de Julho em Sergipe

Análise realizada pelo Boletim Sergipe Econômico, parceria do Núcleo de Informações Econômicas (NIE) da Federação das Indústrias do Estado de Sergipe (FIES) e do Departamento de Economia da UFS, com base nos dados da Pesquisa Nacional da Cesta Básica, realizada pelo DIEESE, apontou que o valor da cesta básica registrado na capital sergipana, em julho deste ano, foi de R$ 379,29, sendo o quarto menor entre as capitais brasileiras. Desde janeiro de 2016, o DIEESE vem publicando os resultados das 27 capitais brasileiras. Os menores valores registrados no mês foram observados em Natal (R$362,63) e Rio Branco (R$ 371,94). Já os maiores custos da cesta básica foram registrados em São Paulo (R$ 475,27), Porto Alegre (R$ 468,78) e Rio de Janeiro (R$ 448,28).

Em relação ao mês de junho, o custo do conjunto de alimentos básicos de Aracaju subiu 0,7% (variação em termos absolutos, ou seja, sem considerar a inflação do período). Considerando a variação mensal, apenas 5 capitais, entre as 27, apresentaram reduções. Florianópolis apresentou a maior redução, registrando uma queda de 4,3%, já Porto Velho, Belém e Belo Horizonte apresentaram redução de 0,6%, cada. Em Brasília a redução foi menor, ficou 0,2% abaixo do valor do mês anterior. Dentre as demais capitais, as maiores altas foram registradas em Boa Vista (+8%), João Pessoa (+5,8%) e Manaus (+5,3%).

Desempenho dos preços dos produtos

Analisando o desempenho dos preços dos alimentos, em relação ao mês anterior, houve uma predominância de alta nos preços do leite, arroz, feijão, café em pó e da manteiga. O valor do leite esteve em alta em todas as capitais, com os maiores aumentos observados em Vitória (+26,7%) e Teresina (+21,7%), as menores variações foram em Aracaju (+3,8%) e em Manaus (+3,8%).

O feijão do tipo carioquinha apresentou variações que ficaram entre 5%, em Goiânia, e 30,7%, em São Paulo. Em Aracaju o feijão ficou 8,9% mais caro. Uma possível explicação para isso, está na redução da área plantada e no clima instável, que acabou reduzindo a oferta do produto. Além do feijão, o arroz aumentou em 26 capitais, em Aracaju foi registrado um aumento de 2,1% em seu preço. Entre os produtos com alta nos preços está a manteiga, derivada do leite, apresentou variação positiva em 25 capitais, todavia em Aracaju houve redução de 1%.

Entre os produtos que apresentaram redução nos preços, no mês em análise, o mais expressivo foi o do tomate (-6,3%) seguido pelos preços do óleo (-3,2%), da carne (-0,6%) e do pão (-0,5%).

Kamilla Ribeiro