Ameaçado, presidente o Socorrense fala sobre situação dramática do clube

"Se depender só do Socorrense, vamos fechar as portas. O Socorrense não tem torcida pra ajudar", afirmou o presidente Washington Alcino. Atolado em dívidas que chegam ao total de 250 mil reais e um estádio abandonado mostram como as coisas no Siri estão bem diferentes do que foram em 2014, quando o time foi vice no estadual. A fase atual não é nada boa. O clube corre o risco de acabar.

Washington Alcino está no comando do clube desde 2014, época áurea do Socorrense. Naquele ano, o time foi eliminado na semi do estadual na primeira fase, mas depois conseguiu desbancar o Sergipe em pleno João Hora. Com essa campanha, o Siri garantiu vaga na Copa do Nordeste do ano seguinte, pela primeira vez, mas nem o dinheiro que recebeu desta competição ajudou a equipe a se estruturar melhor. O presidente culpa o principal patrocinador do Socorrense.  

- Em 2015, nós não recebemos nenhum centavo da prefeitura. Em 2016, fomos até o prefeito para perguntar se poderíamos ou não colocar o clube para disputar o Campeonato Sergipano. O prefeito nos garantiu que tínhamos que colocar o time, até porque era o último mandato dele e não ia deixar o Socorrense de fora, pois o time vinha em ascensão. Então ele se comprometeu em honrar com as despesas com 120 mil reais, mas desse valor só 80 saiu no projeto e até agora só recebemos 40 mil, com as despesas dos encargos ficamos só com 34 mil - explica Washington Alcino.

O presidente do Siri admite que em algumas situações chegou a tirar dinheiro do próprio bolso para resolver algumas pendências e hoje está pagando o preço por essa atitude.

- Eu estou sem recursos para sobreviver na minha casa. Por exemplo, os cartões que eu tinha no início do campeonato até hoje não consegui pagar, os créditos foram embora. A minha casa também está passando por dificuldade. Eu nunca recebi cobrança e hoje até o condomínio está seis meses atrasado - comenta o dirigente do Socorrense.

O cartola revela que tem sido ameaçado por fornecedores, outros credores e jogadores.

- Medo não tenho, porque quem tem Deus ao lado não tem medo. Mas pode ter certeza que muita gente já chegou e gritou bem forte comigo dizendo que quer receber o dinheiro - afirmou Washington Alcino.

Globo Esporte / SE