Tremor de terra volta a ser registrado no Baixo São Francisco, em Sergipe

Os moradores de pelo menos sete municípios da Região do Baixo São Francisco, em Sergipe, foram surpreendidos por um tremor de terra registrado por volta da 1h15 da madrugada desta quarta-feira (16). O Laboratório de Sismologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFGN), que monitora a área, confirmou um abalo de magnitude 3.0. Este é o terceiro tremor de terra em seis meses nesta região.

O advogado Michell Souto tinha acabado de chegar em casa, no município de Propriá (SE), quando percebeu algo diferente. "Ouvi um barulho forte e percebi as paredes, janelas e portas da casa tremendo por uns três segundos. Logo após, vi que pessoas de diferentes cidades da região postaram mensagens nas redes sociais relatando que também sentiram o tremor", descreve o advogado.

Na cidade vizinha, Cedro de São João (SE), os moradores também se assustaram. “Foi forte, como se um caminhão grande estivesse passando na rua e balançasse tudo. Foi sentido em outros municípios do Baixo São Francisco de Sergipe e Alagoas”, contou o representante comercial Franklin Trindade.
O professor Jodynobson Nunes via televisão no primeiro andar da casa e ao descer ouviu um barulho. “Fui tomar água quando de repente começou um barulho indescritível. Senti o chão tremer por mais ou menos cinco segundos. Sem entender o que estava acontecendo, subi e fui falar com minha esposa e ela disse que tinha sentindo a cama  balançar. Foi uma sensação estranha”, conta o professor.

A pescadora Maria Terezinha Pereira Santos mora no Povoado Borda da Mata, município de Canhoba (SE), bem às margens do Rio São Francisco. Segundo ela, não é a primeira vez que o fenômeno ocorreu na região. “Este foi mais forte do que as outras vezes. Até meu marido levantou correndo da cama assustado dizendo que a casa ia cair. Aqui foram dois tremores e parecia que estava acabando tudo, era como se fosse um trovão forte. Balançou telhado, as panelas, a cama. Foi horrível”, disse.

Na sede do município, os moradores assustados saíram das casas e foram para às ruas. “Foi forte o tremor e a explosão. Tive medo da casa cair em cima de mim. Na janela de vidro do meu quarto parecia que tinha alguém balançando. Todo mundo ficou com medo”, relatou o empresário Marcelo Oliveira Torres.

Abalos Sísmicos

Nos últimos seis meses, este é o terceiro tremor de terra que ocorre na região. Em 29 de junho e 28 de outubro a magnitude foi de 2.5, segundo o Laboratório de Sismologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) que monitora a área. "O desta madrugada foi mais forte, 3.0. 

Uma magnitude considerada normal, mas precisaria fazer um levantamento porque essa região já vem tremendo desde o ano passado. Sem gerar danos”, explicou o professor Eduardo Menezes.

Segundo o professor, as causas são os movimentos das rochas no subsolo, movimentos tectônicos, que são normais na Região Nordeste. Ele também falou sobre o barulho ouvido pelos moradores. 

"Quando você tem um tremor e está próximo da área onde ele ocorre, às pessoas escutam um barulho próximo ao trovão. Isso é comum, o som é da vibração do solo em contato com a atmosfera, com o ar. Ai gera o som estridente", explica Menezes.

G1/SE