2018: Jackson tem pernas curtas, mesmo com imagem de fragilidade da oposição

Nas ondas das fragilidades expostas pela oposição, o que se passa para a opinião pública é uma ¨verdade¨ que pode ser perigosa para o governo.

Depois da vitória de Edvaldo Nogueira (PCdoB), que só virou o jogo no segundo turno depois da entrada do governador Jackson Barreto (PMDB) na campanha, a oposição só não consegue passar fragilidade para si própria.

O governador levou para seu bloco o deputado federal Laércio Oliveira (SD) e levará prefeitos antes do início da campanha eleitoral de 2018.

Reforça a imagem de sagacidade política, o que parece esconder o desgaste de vários setores de sua gestão.

Sem medo de errar, governo e oposição se equivocam em suas próprias avaliações.

O governo continua muito desgastado e a oposição não passa para a opinião pública imagem de vencedora.

Por outro lado, cresce entre governistas a certeza de que Jackson pode tudo sempre que chega a hora de convencer o eleitorado.

Não é assim que a banda toca.

O governador está longe de ter um candidato à sua sucessão.

Precisa urgentemente, sem dizer publicamente que está fazendo, começar a construir a candidatura de um nome para vencer a eleição de 2018 para o governo.

Não tem ninguém com esse cacife.

Não basta ter o apoio da maioria dos políticos, sagacidade política reconhecida e o melhor marketing.

É preciso antes de tudo ter candidato com chances reais de vitória.

Não tem nenhum, por isso precisa começar a caminhar, porque as pernas que parecem longas, continuam muito curtas para apresentar aliado conhecido do eleitorado.

NE Noticias