Dupla é presa com 31 explosivos no interior de Sergipe

A Polícia desarticulou uma das ramificações de uma associação criminosa envolvida com o tráfico de drogas na região do Vale do Cotinguiba, no leste sergipano.Nesta terça-feira (17), a Secretaria da Segurança Pública (SSP) detalhou a prisão de quatro homens suspeitos de integrar a quadrilha, que também possui envolvimento com crimes de homicídio.Na operação dessa segunda-feira (16), 31 explosivos foram apreendidos na cidade de Santo Amaro das Brotas, com dois rapazes.

A partir das primeiras prisões, que ocorreram no dia 6 passado, a polícia descobriu que o bando teria relação com pelo menos oito homicídios registrados nos últimos meses naquela região. A motivação para os crimes é a disputa pelo comando do comércio ilegal de entorpecentes, segundo informou a delegada Maria Pureza, do Departamento de Narcóticos.

Com o avanço da investigação, a polícia chegou à localização de José Alcides Santos Oliveira, vulgo 'Tiro', 24; e José Ademir de Oliveira, vulgo 'Côco', de 19. Eles foram presos pela Radiopatrulha nesta segunda-feira,  escondidos em um imóvel em construção naquele município, de acordo com o major Lucas Rebello, da RP.José Ademir é apontado como o chefe de uma das facções que atuam com o tráfico naquela região. 

Aos investigadores, ele chegou a confessar a autoria de um homicídio praticado no ano passado, no qual a vítima teve o corpo esquartejado com golpes de machado e, depois, queimado.

Com a dupla, a polícia conseguiu apreender 780g de maconha, 37g de cocaína e ainda 31 bananas de dinamite, totalizando cerca de 12 kg de explosivos que, conforme informações da delegada Maria Pureza, seriam suficientes para destruir mais de 90 caixas eletrônicos.

Todos os acusados já tiveram as prisões preventivas deferidas pela Justiça e devem ser indiciados pelo crime de tráfico de drogas. Eles também serão alvos de investigação paralela do Complexo de Operações Policiais Especiais (Cope), que vai apurar os homicídios e ainda o envolvimento do grupo com ações criminosas em agências bancárias. 

F5 News