Seca afeta produção de amendoim em Sergipe

No povoado do município de Itabaiana, Jacarecica I, o reservatório de barragem de água que tem 5 milhões de m², e serve somente para os perímetros de irrigação, está completamente vazio. Isso leva automaticamente a uma diminuição brusca na produção dos alimentos da região, onde o forte nesse local é o famoso e querido pela população, o amendoim. No Mercado Municipal de Aracaju,  Albano Franco, os comerciantes já falam sobre a diminuição na demanda e no aumento do preço dos sacos.

A vendedora Simone Souza, que tem quiosque no mercado há oito anos, revela que o saco com quantidade para 100 latas que ela comprava por R$ 250 o mais caro, está agora custando R$ 400 o mais barato. “Tá bem difícil encontrar amendoim por causa da seca. Imagine se isso fosse na época do São João, que é um período onde o amendoim é muito procurado?”, questiona preocupada. Para o consumidor que conseguia comprar uma lata por R$ 3, está encontrando agora a mesma quantidade pelo dobro do preço.

O comerciante Eduardo dos Santos conta que, com a suspensão da irrigação, apenas os produtores que têm poço próprio estão tendo amendoim, mas, ainda assim, o secretário de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e Pesca, Esmeraldo Leal, disse ao JORNAL DA CIDADE que até mesmo esses agricultores que estão fora dos perímetros de irrigação e têm poço próprio diminuíram a produção, porque dependem da água da chuva. “Os principais produtores de amendoim são os municípios de Itabaiana, Malhador, Divina Pastora, Riachuelo, e todos eles estão sofrendo com a estiagem”, acrescentou Esmeraldo.

Segundo o secretário, o nível de água baixou de forma geral. “Tanto nas barragens, até mesmo no litoral sergipano, com alguns lagos que diminuíram o nível da água, assim como também as nascentes estão perdendo a força. Esse é realmente um momento muito difícil no qual todas as nossas bacias estão secando”, reiterou o secretário.

Cohidro

De acordo com dados da Companhia de Desenvolvimento e Irrigação de Sergipe (Cohidro), dos quatro reservatórios de água do estado, um já está completamente vazio, que é justamente a barragem do perímetro irrigado Jacarecica I, em Itabaiana. O reservatório na barragem do perímetro da Ribeira, também em Itabaiana, que abastece o consumo humano e também a irrigação das hortaliças, dos 15 milhões de m² de água, só conta agora com 50% do volume. Em Lagarto, a barragem do perímetro do Piauí também está com apenas 50% do volume de água. Já em Tobias Barreto, no perímetro irrigado Jabiberi, que abastece para o consumo humano de toda a cidade, está com apenas 40% do volume de água.

O diretor de irrigação da Cohidro, João Fonseca, conta que o governo pretende investir cerca de R$ 5 milhões em tecnologia para diminuir o consumo de água e assim tentar combater a seca. “O governo vai investir para mudar todo o sistema atual de irrigação, e implantar tecnologias para que se gaste menos água. Fora isso, é rezar para que chova”, explicou.