Sergipe teve redução de 15,6 mil postos de Trabalho em 2016

Análise realizada pelo Boletim Sergipe Econômico, parceria do Núcleo de Informações Econômicas (NIE) da Federação das Indústrias do Estado de Sergipe (FIES) e do Departamento de Economia da UFS, com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), Ministério do Trabalho e Previdência Social (MTPS), indicou que, em 2016, o saldo (total de admissões menos total de desligamentos) foi de -15.653 empregos formais, no estado. O resultado do ano é fruto da diferença entre 85.720 admissões e 101.373 demissões.

Resultado por setores

O setor da Construção Civil foi o principal responsável pela redução das vagas de emprego em Sergipe, somente em 2016, foi registrada a redução de 5.627 postos de trabalho neste setor. A construção de edifícios foi a atividade que mais desempregou, sendo 4.249 empregos a menos, no ano que findou, o maior índice de desligamentos foi observado entre os serventes de obras e os pedreiros.

O setor da Indústria de Transformação registrou o segundo maior saldo negativo em Sergipe, contabilizando a redução 4.179 vagas. A fabricação de álcool e a fabricação de calçados de couro registraram reduções significativas de empregos, com saldos de -992 e -493, respectivamente, em 2016.

Também apresentou saldo negativo elevado, o setor de Serviços, com redução de 2.967 empregos formais, mesmo tendo a atividade de teleatendimento como a atividade com maior saldo de empregos em 2016, gerando 565 novas vagas. Os outros setores que também apresentaram resultados negativos, ao longo do ano passado, foram: o Comércio (-1.572), o Serviços Industriais de Utilidade Pública (-1.075), a Agropecuária (-133) e a Extração Mineral (-122). Apenas o setor da Administração Pública apresentou saldo positivo, com a geração de 9 vagas.

Emprego nos municípios

Entre os municípios sergipanos, com mais de 30 mil habitantes, a capital sergipana foi a que apresentou o pior resultado, fechando o ano de 2016 com 8.483 empregos a menos, sendo os piores resultados observados na indústria da construção civil (-3.933) e no setor de serviços (-1.465). O município de Nossa Senhora do Socorro, registrou o segundo pior resultado, com redução de 1.941 empregos, concentrados principalmente na indústria de transformação.

A cidade de São Cristóvão apresentou redução de 775 empregos, também impulsionado pelo mau desempenho da construção civil. Em Itabaiana a redução foi de 374 empregos, principalmente na indústria de transformação e na construção civil.

Entretanto, alguns municípios sergipanos contabilizaram saldos positivos, em 2016, com a geração de novos postos de trabalho, o destaque foi a cidade de Lagarto, onde foram criados 336 empregos novos, com destaque para os setores de serviços e da construção civil.

*É importante ressaltar que os dados do MTPS podem sofrer variações devido a ajustes no lançamento dos registros de emprego, modificando o estoque final.

Kamilla Ribeiro