Chamado de “veadinho” por chefe, funcionário será indenizado pela empresa

A juíza do Trabalho substituta Ana Claudia Magalhaes Jacob, de João Pessoa, Paraíba, concedeu a indenização por danos morais a um reclamante que alegou receber tratamento desrespeitoso do chefe imediato, sendo chamado, inclusive, de “veadinho”. Segundo a magistrada, a prova oral produzida pelo reclamante revelou-se suficiente para firmar a convicção de que o chefe hierárquico a ele se dirigia com termos pejorativos, “em flagrante discriminação à suposta opção sexual do autor”.

Em depoimento, uma das testemunhas afirmou ter presenciado várias vezes o líder, na frente do reclamante, fazer comentários do tipo "ah, eu vou tirar esses veadinhos todos daqui"; que isso aconteceu muitas vezes ao longo do período em que trabalhou para a reclamada; e que todos os comentários do chefe giravam em torno da opção sexual do reclamante. Assim, fixou a condenação a ser suportada pela empresa em R$ 3 mil.