Adolescentes assumem comportamento perigoso em relação ao HIV

A Secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio do Programa Estadual de IST/Aids, esteve presente nos festejos juninos realizados na capital e interior do estado. Em Aracaju, durante todos os dias do Arraiá do Povo, organizado pelo Governo do Estado, foram realizados testes rápidos de detecção da Aids, Sífilis e Hepatite, além da distribuição de preservativos. Já no interior do estado, houve caravanas educativas que contaram com a colaboração de estudantes e profissionais da saúde.

Essas caravanas foram parte de uma estratégia de estímulo à prevenção contra as Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST’s) e mostraram uma situação alarmante: muitos adolescentes têm assumido uma postura de risco em relação à prevenção contra essas doenças. O fato foi constatado pelo gerente do Programa Estadual de IST/Aids, o médico Almir Santana. “Nessas caminhadas, quando conversamos com esses jovens a gente percebe que eles conhecem os riscos, mas preferem não usar a camisinha, mesmo com a distribuição gratuita do preservativo”, afirmou Almir.

Segundo ele mesmo em momentos de ações educativas, como a realizada na última sexta-feira, 29, no município de Capela, quando há entrega de preservativos e conversas com a população, o que se percebe é a pouca atenção dos adolescentes para o que é ensinado em termos de prevenção. “Vimos muitos meninos e meninas dizendo que preferem a relação ‘na carne’ ou ‘descalços’, como eles mesmos falam. Isso é muito preocupante porque é uma opção perigosa”, avalia o médico.

Almir Santana reforça ainda que, apesar de ser uma decisão individual, a não utilização da camisinha é uma opção que gera impactos na vida de um número grande de pessoas, já que o infectado que não usa o preservativo pode contaminar outras pessoas. Apesar da resistência encontrada, especialmente entre os jovens, o gerente do Programa Estadual de IST/Aids reforça que o trabalho educativo ainda é a melhor forma de evitar novos contágios e reduzir o número de portadores de vírus como o HIV. Por esse motivo é que a estratégia adotada pela SES é continuar com trabalhos como o realizado durante as festas de São João e São Pedro.

“Percebi alguns fatos que mostram como esses serviços são importantes, por exemplo, uma senhora desceu do ônibus em frente ao nosso stand no Arraiá do Povo e não queria perder a chance de fazer o teste rápido e aprender um pouco mais sobre contágio e prevenção; também tivemos alguns militares que foram fazer o teste afirmando que não queriam perder a oportunidade; além das várias pessoas que estavam trabalhando no local da festa e passaram para conversar sobre IST’s e fazer o exame”, contou Almir Santana.

Além da conversa com o público e da realização de testes rápidos, as ações desenvolvidas pelo Programa Estadual de IST/Aids incluem a distribuição de preservativos masculinos e femininos, além de gel lubrificante. Para Almir Santana, um trabalho em Rede, que necessita da colaboração de todos os envolvidos com a gestão pública. “O ideal é que haja integração entre estado e os municípios, que devem cumprir seus papéis, ofertando os serviços, facilitando o acesso e valorizando algo que nem sempre é considerado importante e: a prevenção”, avaliou.