Cerca de 20 criminosos atacam as agências da Caixa e do Banco do Brasil em Carira

As agências do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal foram alvo de criminosos na madrugada deste sábado (8) no município de Carira (SE). Cerca de 20 homens armados danificaram a porta de entrada da Caixa e utilizaram explosivos na área do cofre do Banco do Brasil.

Equipes da 2ª Companhia do 3º Batalhão de Polícia Militar e do Pelotão Especial de Policiamento em Área de Caatinga foram acionadas e iniciaram a perseguição. “Apesar dos nossos esforços, os criminosos conseguiram fugir em três carros e duas motos através do Povoado Bomfim em direção à Bahia, estado que faz divisa com Carira”, explicou o major Sidney Barbosa.

Reforços do 3º BPM, Grupo de Ações Táticas do Interior (GATI) e Comando de Operações Especiais (COE) também auxiliaram nas buscas pelos criminosos. De acordo com o delegado André David Rodrigues, a investigação na agência da Caixa será de responsabilidade da Polícia Federal e da Polícia Civil no Banco do Brasil.

Por nota, a Caixa esclareceu que informações sobre eventos criminosos em suas unidades são repassadas exclusivamente às autoridades policiais e destacou que coopera integralmente com as investigações dos órgãos competentes. O Banco do Brasil informou que vai aguardar o relatório da perícia criminalística. Não foi divulgado se os roubos foram concluídos e quanto os suspeitos teriam levado.

Outros alvos 

Em 2017 outras agências bancárias de Sergipe também foram alvo de criminosos. Em janeiro, houve uma tentativa de arrombamento a um caixa eletrônico do Banco do Brasil no Bairro Coroa do Meio em Aracaju.

Três dias depois, criminosos invadiram a agência do banco Santander, no Bairro Salgado Filho, na capital, e atacaram os caixas eletrônicos. Não foram utilizados explosivos nessas ações. Ainda no primeiro mês do ano, criminosos armados com fuzis explodiram um caixa eletrônico do Banco do Brasil no município de Poço Redondo.

Uma agência do Banco do Estado de Sergipe (Banese) de Tobias Barreto foi invadida em abril. De acordo com informações da Polícia Civil, os suspeitos entraram pelo teto e tentaram ter acesso ao cofre, mas não conseguiram. Foram roubadas duas armas de fogo e dois coletes balísticos dos vigilantes, o material estava guardado em uma sala dentro da agência.

G1/SE