Brasil registra 10 estupros coletivos por dia, revela Ministério da Saúde

Nos últimos cinco anos, os casos de estupro coletivo mais que dobrou no Brasil. Conforme dados do Ministério da Saúde, obtidos pela Folha de São Paulo, as notificações pularam de 1.570 em 2011 para 3.526, em 2016. 

São em média dez casos de estupro coletivo por dia no país. Acre, Tocantins e Distrito Federal lideram as taxas de estupro coletivo por cem mil habitantes –com 4,41, 4,31 e 4,23, respectivamente. 

Esse tipo de crime representa hoje 15% dos casos de estupro atendidos pelos hospitais –total de 22.804 em 2016. Na Bahia houve 232 casos. 

Os números são os primeiros a captar a evolução desse tipo de violência sexual no país. Na polícia, os registros do crime praticado por mais de um agressor não são contabilizados em separado dos demais casos de estupro. Desde 2011, dados sobre violência sexual se tornaram de notificação obrigatória pelos serviços públicos e privados de saúde e são agrupados em um sistema de informações do ministério, o Sinan. 

Os dados da Saúde, contudo, representam só uma parcela dos casos. Primeiro porque a violência sexual é historicamente subnotificada e nem todas as vítimas procuram hospitais ou a polícia e, em segundo lugar, porque 30% dos municípios ainda não fornecem dados ao Sinan."Infelizmente, é só a ponta do iceberg. A violência sexual contra a mulher é um crime invisível, há muito tabu por trás dessa falta de dados. Muitas mulheres estupradas não prestam queixa. Às vezes, nem falam em casa porque existe a cultura de culpá-las mesmo sendo as vítimas", diz Daniel Cerqueira, pesquisador do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).

Recentemente um vídeo que circulou nas redes sociais onde quatro rapazes estupram uma menina de 12 anos em uma comunidade na Baixada Fluminense, no Rio. No Sul do Piauí uma grávida de 15 anos foi estuprada por três adolescentes, e o namorado, morto na sua frente. No interior paulista, uma mulher de 48 anos foi estuprada por quatro rapazes. Eram seus vizinhos. Em Santo Antônio do Amparo, em Minas Gerais, uma dona de casa de 31 anos foi atacada, estuprada e morta a caminho de casa. Na Bahia, uma jovem de 22 anos foi vítima de um estupro coletivo no bairro de Pau da Lima. Em Itabuna, uma garota de 14 anos também foi vítima de estupro coletivo.