Professores da rede estadual de Sergipe vão suspender atividades por 24h

Assim como os professores da rede de Aracaju (SE), os profissionais da rede estadual também devem suspender as aulas na próxima quarta-feira (16). A paralisação, em conjunto com outros servidores, será por 24 horas com a realização de um ato público, a partir das 9h, na Assembleia Legislativa (Alese).

Segundo o Sindicato dos Professores da Rede Pública de Sergipe (Sintese), o ato é em resposta à “desvalorização” dos servidores, à defasagem dos salários e para cobrar dos deputados ações efetivas em defesa das categorias. Também participam da paralisação nutricionistas, técnicos em nutrição, assistentes sociais, psicólogos e farmacêuticos. 

Há seis dias, outras categorias interromperam as atividades também por 24 horas.“A insatisfação dos servidores públicos do governo de Sergipe chegou ao limite. Há servidores que estão completando o quinto ano seguido sem reajuste salarial, há muito tempo não sabem quando vão receber o salário e têm que lidar diariamente com a falta de condições de trabalho. Aposentados e pensionistas estão numa situação ainda pior, pois recebem o salário parcelado”, ressalta a assessoria do sindicato.

Conforme o calendário do mês de julho, o governo do Estado deu prosseguimento ao pagamento da folha, mas os aposentados tiveram o salário parcelado. Os servidores cobram a reposição da inflação no salário, que não é dada há quase cinco anos, em torno de 32%, e a regularização do pagamento, dentro do mês trabalhado e sem parcelamentos. Eles também reclamam da falta de condições de trabalho.

A presidente do Sintese, Ivonete Cruz, relata que o salário dos servidores não é reajustado desde o início da gestão do governador Jackson Barreto, e desde 2015 os aposentados sofrem com atrasos no pagamento. “A política de Jackson Barreto é de destruição do servidor público. É uma política de maldades que atinge a nós, professores e professoras, da ativa e aposentados”, disse.

O Sintese publicou as receitas do Estado nos últimos anos e afirma que o governo tem recursos para pagar os salários em dia e assegurar os serviços públicos de Saúde, Educação, Segurança e Assistência Social. Os professores questionam onde o dinheiro dos impostos está sendo investido.

A Secretaria de Comunicação do governo informa que mantém o diálogo aberto com os servidores, no entanto, repete que a regularização do pagamento dos servidores ativos e inativos será possível diante da melhoria na arrecadação estadual, que sofre queda nos meses de julho, agosto e setembro. Ainda de acordo com a secretaria, a administração vem realizando medidas econômicas para equilibrar as contas estaduais.

Informações: F5 News