Black Friday: confira dicas de segurança para não cair em cilada

A Black Friday representa para o consumidor uma ótima oportunidade de adquirir produtos com preços mais vantajosos que no resto do ano. Para quem busca economia, a “sexta-feira negra”, tradição norte-americana, já está marcada na agenda de novembro, mas é preciso ter cuidado para não cair em cilada.Além de não se empolgar com promoções, pesquisar preços para avaliar onde estão as melhores ofertas e comprar o que realmente precisa, é necessário também estar seguro da compra, seja em loja física ou virtual, para não ser enganado.

A Fundação Procon de São Paulo recomenda, por exemplo, que o consumidor evite sites que exibem como forma de contato apenas um telefone celular. Diz ainda que é melhor preferir fornecedores recomendados por amigos ou familiares, ou em que você já comprou.

Confira mais dicas de segurança

- Imprima ou salve todos os documentos que demonstrem a compra e confirmação do pedido (comprovante de pagamento, contrato, anúncios etc.);- As trocas são permitidas, mesmo para o comércio online e em promoção. No caso de problemas aparentes do produto, o Código de Defesa do Consumidor (CDC) estabelece prazo de 30 dias no caso de produtos não duráveis e de 90 dias para itens duráveis, contados a partir de sua constatação. Essa reclamação pode ser feita para o próprio comerciante ou para o fabricante;

- Se a loja informar que o produto comprado na liquidação poderá ser trocado, peça que escrevam essa informação na nota fiscal, na etiqueta ou em um cartão da loja para evitar problemas futuros. Isso porque não há obrigação legal de troca por questões de tamanho, cor ou modelo. 

Na compra online, por sua vez, independentemente do motivo (defeito, tamanho ou modelo) ou se está ou não em promoção, o consumidor tem até 7 dias para se arrepender da compra e pedir a troca;

- Sempre que possível, verifique as promoções oferecidas pela loja e guarde folhetos publicitários ou encartes. Além de se organizar melhor, sabendo onde encontrar o que deseja o e o quanto pagará pelo item, você também garante que o estabelecimento seja obrigado a cumprir o que prometeu;

- Nas compras em lojas físicas, optando por parcelar e no caso de emissão de cheque pré-datado, coloque-o nominal à loja, anotando no verso o dia combinado para o depósito e exija que esta informação conste na nota fiscal.

Sem exageros

Segundo o SPC Brasil, 43% dos consumidores pretendem comprar na Black Friday se os preços e descontos valerem a pena. Ainda assim, 39% pretendem gastar menos com os produtos em relação ao ano passado. 

Valor médio das compras deve ter queda de R$ 378 em relação ao ano passado. 63% esperam descontos acima de 40% – smartphones e roupas devem ser os produtos mais comprados.

Para a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, é preciso planejar as compras para aproveitar a Black Friday de forma consciente, sem gastar mais do que o orçamento. 

Ela afirma ainda que o consumidor não deve apenas ficar de olho só no “desconto” para não acabar pagando juros sem necessidade ou levar itens que não estão com descontos reais.“É fundamental saber o que realmente precisa e fugir das compras por impulso. 

Adquirir algo que não precisa por um preço mais baixo não é uma boa compra. Comprar algo desnecessário, mesmo que com desconto, é desperdício”, ressalta Marcela.

Aproveitar a Black Friday para comprar presentes de Natal, definir o valor que pode gastar e efetuar a compra online por boleto bancário, paypal ou cartão de débito são sugestões para um consumo consciente.

Com informações do SPC Brasil