Salgado, São Domingos e Riachão em situação de alto risco epidemiológico

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) divulgou o último LIRAa do ano de 2017. O levantamento, que traz a situação epidemiológica de cada um dos 75 municípios sergipanos em relação à infestação do mosquito Aedes aegypti, vetor transmissor de arboviroses como dengue, zica e chikungunya, foi realizado de seis a 10 desse mês, pela Secretaria de Saúde dos próprios municípios. As informações foram encaminhadas para o Núcleo de Endemias da SES para consolidação das informações e divulgação.

O Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes Aegypti (LIRAa) revela que sete municípios sergipanos estão em situação de alto risco epidemiológico, ou seja, apresentam índices a partir de 3,9%. São eles: Feira Nova (6,5%), Japaratuba (5,7%), Nossa Senhora das Dores (5,2), Salgado (5,0%), Santana do São Francisco (4,6), São Domingos (4,0%) e Riachão do Dantas (5,2%), segundo informações da gerente do Núcleo de Endemias da Secretaria de Estado da Saúde, Sidney Sá.

A capital Aracaju está entre os 40 municípios que apresentaram médio risco (1,0% a – 3,9%), com índice de infestação de 1,1%, enquanto os municípios de Barra dos Coqueiros, Indiaroba, Moita Bonita, Ribeirópolis, Siriri, Canhoba e Divina Pastora registram índice zero de infestação por Aedes Aegypti, conforme levantamento feito pelos próprios municípios.

O vetor está sob controle em municípios como Amparo do São Francisco (0,3%), Arauá (0,4%), Estância (0,9%), Itaporanga (0,7%), Neópolis (0,2%0) e Muribeca (0,8%). Estes  e mais 12 municípios registram baixo risco epidemiológico para dengue, zica e chikungunya, conforme aponta o LIRAa. Neste sexto e último levantamento do ano de 2017, Sergipe vem mantendo o padrão apurado durante todo o ano.

“O Estado de Sergipe em 2017 esteve em situação de controle do vetor e isso se dá devido às atividades desenvolvidas ao longo do ano pelos municípios e pela Secretaria de Estado da Saúde. Isso é importante, mas deve servir de alerta porque alguns municípios apresentam índices elevados de infestação do mosquito, principalmente neste período de temperaturas elevadas”, orientou Sidney Sá.

Alto risco

O Núcleo de Endemias da Secretaria de Estado da Saúde já está fechando a programação do carro fumacê para os setes municípios que apresentaram alto índice de infestação do mosquito. “Também estamos agendando uma conversa com os gestores para discutirmos formas mais intensas de combate ao vetor”, informou a gerente.

LIRAa

O LIRAa é o Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes Aegypti, realizado a cada início de ciclo epidemiológico, o que ocorre a cada dois meses. Com isso, são realizados seis LIRAas no ano, quantitativo suficiente, na avaliação de Sidney Sá, desde que os municípios mantenham com eficiência o trabalho de controle e combate ao vetor. Feito por amostragem, o objetivo do levantamento é o de monitorar a presença do mosquito nos municípios e subsidiar os gestores no trabalho de combate ao Aedes.