Eduardo Amorim informa descontingenciamento de R$ 16,6 milhões para Hospital do Câncer

O senador Eduardo Amorim (PSDB-SE) recebeu a informação do descontigenciamento  de R$ 16,6 milhões para as obras do Hospital do Câncer de Sergipe. A emenda contempla a bancada federal de Sergipe com a indicação do senador. As emendas para a Estruturação de Unidades de Atenção Especializada em Saúde – Hospital do Câncer – são adicionadas por Eduardo Amorim desde 2011 e, até o presente momento, já foram destinados R$ 198,2 milhões. “Temos um trabalho contínuo para a liberação desses recursos e ainda não temos sinal do final das obras por parte do governo de Sergipe”, disse o senador.

Eduardo lembrou a entrega ao então ministro da Saúde, Alexandre Padilha, do abaixo-assinado com mais de 150 mil assinaturas para a construção da unidade hospitalar. “Foram meses de muitas viagens, onde mostramos à população a importância da chegada do hospital. Visitamos todos os municípios, fomos a feiras livres, calçadões, contamos com o apoio da imprensa e conseguimos transmitir o sentimento de que todos juntos iríamos ter esperança no tratamento desta doença”, disse.

Sobre as emendas, o senador falou que ainda como deputado federal, em 2010, conseguiu destinar uma emenda de R$ 20,8 milhões; já em outros anos conseguiu mais R$ 29,5 milhões e R$ 35 milhões. “Em 2014, quando comemorávamos o início da obra por meio de mais R$ 15 milhões do Proinveste, lamentavelmente, o que vimos foi apenas mais uma propaganda eleitoral, vazia”, denunciou.

Já em 2015, foram mais R$ 25 milhões em emendas; em 2016, mais R$ 37 milhões e para 2017 o senador defende R$ 18 milhões. “Ao total, já são quase R$ 200 milhões destinados em emendas nossas para a construção do Hospital do Câncer”, disse, ao completar que “só agora, quase seis anos depois da indicação da primeira emenda é que a obra teve sua ordem de serviço assinada”.

“Nos últimos sete anos, milhares de sergipanos morreram pelo descaso, omissão e descompromisso do governo que lá está. Esperamos que esses passos iniciais, ainda que atrasados, possam agora ser mantidos na direção certa. Esperamos também que a população tenha um hospital propício ao combate de uma doença tão grave e que possa ter um tratamento digno, conforme garante a Constituição”, informou Eduardo.