Álcool prejudica mais o cérebro que maconha, conclui estudo

Pesquisadores descobriram que o consumo de bebidas alcoólicas é mais prejudicial ao cérebro que o uso da maconha. Analisando imagens cerebrais de 1.292 pessoas, incluindo adultos e adolescentes, os cientistas da Universidade de Colorado-Boulder, nos Estados Unidos, observaram que a estrutura cerebral sofre alterações associadas ao consumo de álcool a longo prazo.

A pesquisa, publicada no periódico "Addiction", considerou os efeitos do álcool e da maconha em 853 adultos, com idades entre 18 e 55 anos, e em 439 adolescentes com idades a partir de 14 anos.

Redução no volume de massa cinzenta

Os autores do estudo observaram nas imagens cerebrais que houve reduções no volume de massa cinzenta e de substância branca, associadas ao consumo de álcool. A massa cinzenta controla o funcionamento do cérebro, e a substância branca controla a comunicação entre os nervos no órgão.

"Enquanto a maconha pode também trazer consequências negativas, ela não está definitivamente nem perto das consequências negativas do álcool", afirmou Kent Hutchison um dos responsáveis pelo estudo, ao site "Medical News Today". Como alguns estados nos EUA legalizaram o consumo recreativo da maconha, além de seu uso medicinal, cientistas do país têm buscado compreender melhor os efeitos da droga no organismo.

Ainda ao "Medical News Today", um grupo de pesquisadores informou, no último ano, ter observado um risco maior de psicose em adolescentes que consomem cannabis. Outro estudo apontou que os efeitos da maconha para a saúde cardiovascular são piores do que cigarros. Por outro lado, os produtos derivados da erva podem ajudar no combate à enxaqueca, segundo algumas pesquisas. Outras indicam ainda que eles podem ajudar no aumento do apetite sexual.

O Globo