Em jogo com pênalti anulado e expulsões, Itabaiana e Frei Paulistano ficam no 0 a 0

O placar do estádio Titão não saiu do zero. O jogo também só ficou interessante mesmo após o lance polêmico no qual o árbitro central marcou pênalti para o Itabaiana e depois voltou atrás quando o quarto árbitro informou que a bola não teria batido no braço do jogador do Frei Paulistano.

O Tricolor da Serra dominou a etapa inicial, mas não foi produtivo, não foi eficiente. No segundo tempo, o Touro começou melhor, mas depois o Itabaiana voltou a ter o controle da partida, porém a pontaria continuava descalibrada e o jogo terminou sem gols e, consequentemente, sem um vencedor na tarde deste sábado em Frei Paulo.

Com o empate o Itabaiana chegou aos 11 pontos e permanece na liderança do estadual, porém pode ser ultrapassado pelo Sergipe, que enfrenta o Amadense no Batistão neste domingo. Enquanto isso, o Frei Paulistano chegou aos 4 pontos e assumiu a sexta colocação, mas pode descer novamente a depender das partidas que ainda faltam para completar a quinta rodada.

O jogo

No primeiro tempo, o Itabaiana dominou o jogo. O Tricolor da Serra manteve maior posse de bola do início ao final, mas não conseguia criar oportunidades claras de gol. O Frei Paulistano, quando chegava, era através das jogadas aéreas. Os goleiros quase não sujaram os uniformes no etpaa inicial no Titão. Os times não criavam com qualidade e, quando estavam com a bola no pé para definir a jogada, chutavam muito longe do gol ou erravam o último passe.

Diferente dos donos da casa, o Tremendão tentava também com chutes de fora e de dentro da área do adversário, mas de nada adiantava. A pontaria estava totalmente descalibrada. Paulinho Macaíba, Grafite e Branco foram os que mais tentaram, principalmente nas jogadas pela esquerda com Juninho. Magno e Dagil eram os que mais buscavam pelo Frei Paulistano.

Pênalti polêmico e Ivan salvando no final

Na etapa final também não teve gol. O Touro de Frei Paulo ficou mais com a bola no início do segundo tempo, mas não era objetivo e eficiente, assim como o Itabaiana não foi na etapa inicial. Depois dos 15 minutos, o Tricolor da Serra voltou a dominar o jogo, porém continuava sem pontaria.

Até que, aos 23, após boa jogada individual de Danielzinho, na sequência do lance Grafite chutou e o árbitro entendeu que a bola teria batido no braço de Ney Maruim, com isso marcou pênalti para o Tremendão. O que gerou revolta nos atletas do Frei Paulistano. Ney e Baco reclamaram muito e receberam cartão amarelo. O segundo insistiu nas reclamações e foi expulso. A confusão só fazia aumentar. Discussões dentro e fora das quatro linhas, inclusive o massagista tricolor foi expulso também. Foi aí que o quarto árbitro chamou Marcel Phillipe, árbitro central, e disse que não houve a penalidade.

Marcel então anulou a marcação do pênalti e o jogo prosseguiu. A partida esquentou e o Tricolor da Serra "acordou". Pressionou bastante os donos da casa e teve três boas oportunidades para definir o duelo. Uma com Ratinho e duas com Anderson Grafite. Em duas delas o goleiro Ivan defendeu, na outra a bola foi pra fora. O Frei Paulistano até tentou em alguns chutes de fora da área, mas nenhum deles assustou o goleiro Andrade e o jogo terminou no zero a zero.

Globo Esporte / SE