Governo do Estado desiste de privatizar a Deso

O governador Jackson Barreto anunciou, na manhã desta segunda-feira, 26, o fim do contrato com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) dos estudos para privatização da Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso).

Para alegria, especialmente, dos 1.711 funcionários concursados e de centenas de prestadores de serviços da empresa, Jackson garantiu que em seu governo não haverá privatização da empresa. “É um momento histórico. Fico com a consciência tranquila porque estou fazendo o que sempre fiz na minha história, defender o meu estado, o meu país e esses trabalhadores, até porque foi nosso governo que fez um concurso que levou a contratação de quase 700 novos trabalhadores. Tomei uma posição para manter o patrimônio do Estado, dos trabalhadores e da gente sergipana. Com esse ofício, suspendo o contrato e acabo com essa história de estudos e privatização da Deso”, defendeu o governador, que foi muito aplaudido pelos servidores.

Jackson lembrou a pressão que o seu governo enfrentou com relação a esse projeto. “Muitas vezes, fui ao BNDES tratar a respeito dos recursos de obras de outros projetos e os gestores do Banco me questionaram sobre a questão da Deso. Mas não vou deixar a marca de que privatizei a Deso, acabando com a minha história, que sempre foi de luta popular. Cheguei a uma agência do interior, uma senhora me questionou se iria privatizar a Deso e argumentou que a água é um bem de Deus, que não poderia privatizar esse bem. Isso me fez refletir sobre a sabedoria do nosso povo. Agora, chegou a hora de tomar uma posição definitiva e estou feliz de ouvir o quanto temos avançado no estado com o trabalho que a empresa realiza. É uma empresa que tem a tarefa imensa de levar água para a população sergipana. Vamos trabalhar para, a cada dia, melhorar a prestação desse serviço e sei que esse anúncio é uma motivação para os trabalhadores continuarem a fazer o seu melhor”.

De acordo com o presidente da Deso, Carlos Melo, o ato demonstra a coragem do governador. “Se fosse outro governador, que não tivesse essa visão, a Deso já estivesse privatizada. Jackson sofreu uma pressão muito grande e ainda vem sofrendo para elaboração desses estudos. A Deso passou por uma fase muito ruim, mas desde o início deste governo isso está mudando. Hoje, somos reconhecidos pela sociedade pelo serviço de qualidade que prestamos. E o governador teve um papel muito importante quando estabeleceu o desafio de mudarmos a cara da Deso. Em 2014, por exemplo, um ano antes de assumirmos, a Deso teve um prejuízo de R$ 17 milhões. Mas já em 2015, fechamos o ano no azul e o governador determinou novos investimentos para podermos ampliar os serviços no interior, no Sertão, levarmos água aos que mais precisam”.

Carlos Melo destacou, ainda, que o anúncio representa um alívio para os funcionários da casa. “Somos todos muito gratos. Contratamos 672 concursados nos últimos três anos. Nenhum governador contratou tantos como Jackson Barreto, ainda mais em um momento de crise e de pressão para privatização. Assinar esse documento, rescindindo esse contrato, beneficiando diretamente 1.711 funcionários e tantos prestadores de serviço é um grande alívio para todos nós. Os trabalhadores não estavam dormindo, mas hoje poderão voltarão para casa tranquilos”, declarou.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Purificação e Distribuição de Água e Serviços de Esgotos de Sergipe – Sindisan, Silvio Sá, comemorou o anúncio. “Sei que Jackson Barreto não rasgaria sua história, traçada nos movimentos sociais. Coincidentemente, essa data nos chega próximo ao mês de março, quando comemoraremos o Dia da Água, no dia 22, e este é um grande agradecimento. Faremos uma grande passeata, mas, dessa vez, não em tom de protesto, mas de agradecimento por essa conquista”, afirmou Silvio Sá.

Para Mauricéa Monteiro, os trabalhadores da Deso vão dormir mais tranquilos a partir de hoje. “Sou advogada da Deso há 34 anos e hoje, para todos nós, é um marco histórico. Diante de toda essa turbulência da privatização, desse receio, Deus usou o governador para manter a história dessa empresa que presta um serviço essencial para comunidade. Ressalto a importância desse dia de hoje, porque com este ato o governador não só preservou o emprego dos trabalhadores da Deso, como também garantiu o acesso à agua à população carente, o que era também uma das nossas preocupações. O governador não fraquejou, manteve a posição dele. Hoje é um dia de vitória”.

O assessor jurídico André Oliveira, que entrou na Deso por meio do último concurso realizado, explicou que a assinatura do fim do contrato com o BNDES põe fim há uma batalha de aproximadamente 15 meses. “Devido a uma iniciativa do governo federal no sentido de promover uma desestatização, um enfraquecimento das empresas estatais, a rotina de todos os funcionários daqui foi alterada, pois havia expectativas a respeito do desfecho desse problema. Houve uma movimentação muito forte interna e externamente e hoje estamos concretizando um sonho coletivo. Hoje, todo funcionário da Deso, sem exceção, dormirá mais feliz e se sente mais apto para poder desenvolver seu serviço de forma mais serena, sem essa preocupação”, informou.

Lagarto como vejo