Idoso morre após receber intimação da Polícia Civil em Sergipe

Após receber uma intimação da Polícia Civil nesta quarta-feira (21), para prestar esclarecimentos sobre disparos efetuados dentro de casa, Ailton Messias Gonzaga, de 72 anos, teve um mal súbito e faleceu em um posto de saúde do município de Salgado, zona Sul de Sergipe.A intimação foi entregue por policiais ao homem após denúncias de populares, que afirmaram terem ouvido disparos efetuados por ele dentro de sua residência na terça-feira (20). 

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP/SE), o homem pediu que os agentes esperassem para que ele trocasse de roupa e fosse até à delegacia, mas ao sair de casa o homem teve um ataque cardíaco. 

Os policiais o encaminharam para uma unidade de saúde, mas não resistiu e morreu.Segundo a SSP, o corpo do homem deu entrada no Instituto Médico Legal (IML) por volta de 14h45, para identificar a causa da morte. No instituto foi realizado todo o procedimento pela médica legista Solange Lima, que constatou que se tratava de uma morte natural, possivelmente provocada por um ataque cardíaco.

Confira a nota na íntegra:

O Instituto Médico Legal (IML) informa que o corpo de Ailton Messias Gonzaga, 72 anos, chegou ao Instituto por volta de 14h45. Foi feito o procedimento para liberação pela médica legista Solange Lima, que constatou que tratava-se de uma morte natural, possivelmente provocada por um ataque cardíaco.

O ancião chegou a ser encaminhado para um posto de saúde de Salgado, mas não foi feita a declaração de óbito. 

A médica legista verificou todo o corpo e constatou que não havia lesões que provocassem morte violenta. Portanto, a declaração de óbito deveria ser feita pelo Serviço de Verificação de Óbito (SVO) para liberação do corpo para velório e sepultamento.

O carro da funerária chegou no IML às 17h10, portanto depois do fechamento do SVO. Os funcionários do IML se prontificaram a guardar o corpo até a manhã da quinta-feira, dia 22, mas os familiares não aceitaram.* Estagiário sob supervisão do jornalista Will Rodrigues.

Por: F5 News