Sérgio Reis defende Belivaldo e Jackson no MDB, e quer ser primeiro suplente de senador

O ex-deputado federal Sérgio Reis, MDB, defendeu nesta quinta-feira, 8, em conversa com esta coluna Aparte, que estará “de bom tamanho” se o seu partido tiver os candidatos ao Governo do Estado, na figura de Belivaldo Chagas, e ao Senado, na de Jackson Barreto.

Na tese de Sérgio Reis, ainda resta aí muita coisa para a composição do grupo de governistas, como a vaga de vice-governador, mais um candidato ao Senado e quatro suplências de Senado por Sergipe.

“Temos que levar em conta que se o ministro Luiz Fux, presidente do TSE, não aceitar candidatos sob liminar, dois já estão eliminados, que são Rogério Carvalho e Pastor Heleno”, diz Sérgio Reis.

“Ao meu ver, se Rogério Carvalho não for candidato, crescem muito as chances de Eliane Aquino ser a vice de Belivaldo Chagas, o que é a minha chapa dos sonhos”, reforça Sérgio.

Esse ponto de vista de Sérgio Reis traz uma clara interdição à ideia de que Belivaldo troque o MDB pelo PSD dos Mitidieri por questões de acomodação. Na verdade, Sérgio está apenas levantando o crachá pelo fortalecimento do seu próprio partido.

Claro que, com um MDB mais forte, melhor a parte que o lagartense aspira neste latifúndio. “Eu quero ser o primeiro suplente de sanador de Jackson Barreto. Eu fui convidado para ser ministro de Estado do Turismo pelo líder do PMDB e pelo próprio ministro e disse não, porque o meu projeto passa por Sergipe e pela primeira suplência de senador”, diz. Sérgio jura que não tem nenhuma condenação em segundo grau.

JL Politica