.

Lava Jato faz 4 anos com 160 condenados e R$ 12 bilhões em recuperação

A Operação Lava Jato completa 4 anos neste sábado (17.mar.2018). Desde março de 2014, foram deflagradas 49 fases, 160 pessoas foram condenadas em 1ª Instância e 77 em 2ª Instância e cerca de R$ 12 bilhões devem ser ecuperados por meio de acordos de delação premiada. Em torno de R$ 1,9 bilhão já foi devolvido.

Os números foram divulgados pelo MPF (Ministério Público Federal).

Ainda segundo o Ministério Público, 101 autoridades com foro privilegiado respondem a ações penais relacionadas à operação no STF (Supremo Tribunal Federal). Até março de 2018, as condenações da Justiça Federal do Paraná e do Rio de Janeiro, somadas, chegam a 2.384 anos 8 meses e 20 dias de prisão.

Em entrevista coletiva, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, disse que, dos 27 governadores, 12 são investigados –44% do total em atividade no país. Desse total, 3 já foram denunciados ao STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Em 4 anos de operação foram deflagradas 49 fases, que somam:

36 denúncias no STF;
3 denúncias no STJ;
72 denúncias na Procuradoria da República no Paraná;
33 denúncias na Procuradoria da República do Rio;
uma denúncia no TRF-2;
187 acordos de colaboração premiadas firmadas com o MPF e encaminhadas ao STF;
4,6 mil manifestações feitas pelo MPF junto ao STF em processos da Lava Jato;
395 pedidos de cooperação internacional envolvendo 50 países.

Raquel Dodge afirmou que a Lava Jato é o “mais concreto feito contra a corrupção no Brasil, por fazer a lei valer para todos, sobretudo para os que têm influência e que se apropriaram de recursos públicos desviados de serviços essenciais para a população”.

“As investigações e as ações penais têm caminhado bem em todas as instâncias porque os instrumentos jurídicos estão definidos e porque a corrupção tornou-se prioridade para a população, que acompanha a evolução dos trabalhos dentro do devido processo legal”, disse.

Dodge reiterou apoio para intensificar investigações da operação e de seus desdobramentos. Ela disse que a busca por resolutividade é a estratégia prioritária em sua gestão. Por isso, tem feito novos acordos de colaboração, ajustado acordos já submetidos ao STF, além de solicitar diligências e providências tanto nos inquéritos quanto nas ações penais.

“Há muito a fazer e estamos redobrando o esforço. Queremos resolutividade e continuidade. A reunião em Porto Alegre visa estreitar estratégias e avaliar o muito que temos a avançar, dimensionar a força de trabalho e os recursos que disponibilizaremos para esta atuação institucional prioritária”, afirmou.

Por: Poder 360