Ônibus da caravana de Lula são alvos de tiros no Paraná

Três ônibus da Caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pela região Sul foram atingidos por tiros nesta 3ª feira (27.mar.2018). O episódio, segundo a equipe do petista, ocorreu entre as cidades de Quedas do Iguaçu e Laranjeiras do Sul, no Paraná. Foram 4 balas que acertaram a lataria dos veículos

De acordo com a assessoria do ex-presidente, ninguém ficou ferido. O ônibus atingido faz parte da frota da empresa Corumbau Brasil, contratada para a caravana.

Dos três ônibus, o último, que levava jornalistas, recebeu dois tiros na lataria e 1 de raspão em um dos vidros. O terceiro tiro acertou o ônibus do meio que transportava assessores. O ex-presidente estava no ônibus da frente.

Além dos tiros, foram colocados ganchos que furaram os pneus do transporte. Ninguém ficou ferido.

O ataque ocorreu no último trecho em que a caravana não era escoltada por policiais.

A Polícia Militar foi acionada para fazer uma perícia sobre a marca de tiro.

No dia 14 de março, o secretário geral do PT/PR, Ângelo Carlos Vanhoni, mandou uma carta ao secretário de segurança do Paraná, Júlio Cezar dos Reis, solicitando apoio da Segurança Pública do Estado do Paraná para segurança nos eventos.

Desde que iniciou a caravana pelo Sul, Lula tem sido alvo de protestos. No último domingo, a viagem foi alvo de ovos e pedras.

Segundo o ex-presidente, a caravana tem sido “perseguida por grupos fascistas”.

CONVERSA COM JUNGMANN

Na tarde desta 3ª, congressistas do PT, do Psol e do PC do B estiveram reunidos com o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann. A princípio, o tema da conversa eram as investigações do assassinato da vereadora do Psol Marielle Franco.

No entanto, segundo a deputada Maria do Rosário (PT-RS), ao longo da reunião foram informados do episódio envolvendo a caravana. O tema foi abordado com Jungmann. O ministro teria entrado em contato com o governador do Paraná, o tucano Beto Richa. Segundo Maria do Rosário, Richa ainda não sabia do caso.

“Não estão assumindo a responsabilidade sobre a segurança do presidente Lula e de um ato político democrático que é essa caravana”, disse a congressista.

Para Jungmann, é “inaceitável”que isso aconteça. “Isso não pode acontecer, e se acontecer, é preciso identificar os responsáveis porque não pode se repetir dentro do regime democrático”, disse o ministro.

Jungmann afirmou em uma carta para Gleisi Hoffmann, presidente do PT, que as polícias militares estaduais e federais estão realizando ações integradas para reforçar as medidas preventivas e ostensivas de segurança para Lula e Dilma.

SEGURANÇA REFORÇADA

Em nota, a Polícia Civil do Paraná informou que uma equipe da Delegacia de Laranjeiras do Sul foi até a Universidade Fronteira Sul para verificar a situação. Disse que será feita uma perícia no ônibus e, se constatado 1 disparo de arma de fogo, será aberto inquérito policial para apurar os fatos.

A nota diz ainda que o ex-presidente não estava no ônibus. A Polícia Militar do Paraná reforçou o policiamento nos locais de manifestação pré determinados junto à comitiva do ex-presidente. Não houve, por parte do ex-presidente, o pedido de escolta.

REPERCUSSÃO

A presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, participa da caravana e cobrou uma resposta das autoridades:

Por: Poder 360