Terra na água é a realidade dos moradores de Tobias Barreto (SE)

A falta de água é um problema que os moradores de Tobias Barreto constantemente reclamam, em alguns lugares a água só aparece poucas vezes na semana. Porém, a dificuldade com a água em Tobias Barreto vai além da distribuição. A água do município estaria com muita areia a água.

Segundo a comerciaria Andrelma Oliveira, uma das tobienses que sofrem com a sujeira na água, os problemas começaram quando a Barragem do Jabiri passou a abastecer a cidade. “Tem gente que toma banho na barragem, levam animais e a água é a mesma que é fornecida”, destaca.

Para algumas tarefas do dia a dia é preciso comprar água. “A situação da água daqui é péssima, eu preciso comprar água para beber e cozinhar. Se você cozinhar fica com gosto de como se tivesse cozinhado com lama. Uma vez eu cozinhei um arroz que precisei jogar fora”.

Na casa de Andrelma a água só é utilizada para banho e lavagem de roupas, depois que espera a areia sair da água, mas mesmo assim as roupas brancas não são as mesmas. “A farda do meu menino vive amarela e não é porque eu não sei lavar, a água que mancha”, destaca

Andrelma conta que com a situação da água as despesas em casa aumentaram, a cada quinze dias a comerciaria contrata uma pessoa para lavar a caixa da água que acumula areia e a cada mês contrata um eletricista para consertar o seu chuveiro. “Eu tenho chuveiro elétrico e em mês e mês preciso contratar uma pessoa para consertar porque enche de areia e para de funcionar”.

Sem água há dias

A cabelereira Maria Luziene mora no Conjunto Bom Jardim, um dos mais atingidos com a falta d´água, quando a entrevista foi realizada Maria já estava há três dias sem água. “Quando a água chega ela só desce por meia hora e logo acaba, mesmo com a barragem cheia e a água vem marrom parecendo lama”, declara.

Maria ainda comenta que apesar da falta de água todos os meses sua conta vem 114 reais, apenas uma parte do dinheiro que ela gasta devido à situação. “Eu preciso comprar baldes de água para poder cozinhar e beber, que dura dois a três dias, cada balde custa dez reais. Às vezes pago para encher a caixa de 500 litros, mas só dura cinco dias”, explica.

Deso

Em nota, a Assessoria de comunicação da Deso informa que a água é potável. “A Deso refuta a informação de que a água chega com lama. A água fornecida está dentro de todos os padrões de potabilidade. O fornecimento se dá através de manobra, quando necessário, não passando de 24h em um dos setores da cidade. Lembrando que quem possuir reservatório em casa, não será afetado pela manobra. A empresa também trabalha para acabar com as ligações clandestinas que afetam o fornecimento”.

Fonte: CINFORM