DPVAT: quase 900 indenizações foram pagas em Sergipe

Somente no primeiro trimestre de 2018 a Seguradora Líder, administradora do Seguro DPVAT, já pagou 890 indenizações em Sergipe a vítimas de acidente de trânsito, deste número 103 foram indenizações por morte (+8,42% a mais que em 2017) e 787 por invalidez permanente (-4,37 se comparado ao ano passado). No Brasil, o número total de indenizações pagas foi de 87.508, entre morte (9.196), invalidez permanente (62.781) e despesas médicas (15.531). O DPVAT é o Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres, é o seguro obrigatório que é pago anualmente junto com o IPVA.

Vistos como um problema de saúde pública, devido ao grande número de vítimas, os acidentes de trânsito têm sido a principal causa de morte no Brasil, sendo que, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o país foi classificado como o quinto do mundo com mais mortes no trânsito. Apesar de ser apenas um dos meios para registrar os acidentes, as indenizações do DPVAT dão uma importante noção dos números que, apesar de oscilantes de um ano para outro, ainda demonstram o descompasso dos motoristas nas ruas, avenidas e estradas, já que a maioria dos acidentes são causados pela irresponsabilidade dos condutores.

De acordo com o Boletim Estatístico da Seguradora Líder, em todo o Brasil, a faixa etária mais atingida foi de 18 a 34 anos, portanto, os mais jovens, representando 48% do total das indenizações pagas, a cerca de 42 mil indenizações.

No período de janeiro a março deste ano, a região Nordeste foi a responsável pela maior concentração das indenizações pagas pelo Seguro DPVAT (31%), embora sua frota seja a 3ª maior do país (17% dos veículos), atrás das regiões Sudeste (49% da frota nacional) e Sul (20% da frota nacional), segundo dados do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). Sergipe, atualmente, possui uma frota de 724.086, o que equivale a cerca de 4,39% da frota regional.

As regiões Sudeste e Nordeste concentraram a maior incidência dos acidentes com vítimas fatais (34% e 32%, respectivamente), sendo que na primeira região a maior participação é dos automóveis (42%) e na segunda predominaram os acidentes fatais com motocicletas. Analisando a região de maneira isolada, a porcentagem de indenizações pagas por morte em acidente com moto representou 64% do total. 

Por: Jornal da Cidade