ITABAIANINHA: pai acusa ex-esposa de impedir contato com o filho há quatro anos

Um caso delicado chegou à reportagem do CINFORM. A denúncia de um pai, José Nildo dos Santos, que alega não ver seu filho há quatro anos. Segundo ele, sua ex-esposa não o deixa encontrar a criança. Tudo começou na cidade de Itabaianinha, aonde o casal viveu até que o filho completasse dois. Daí em diante, com o fim do relacionamento, a mulher se mudou para a cidade de São Paulo e afirma ter a guarda da criança.

O pai nega a afirmação e diz que chegou a levar o caso para Justiça, para brigar pela guarda da criança, mas não obteve resultados.

TROCA DE FARPAS

“Todas as ligações que faço ela não deixa que eu fale direito com meu filho. Ela fica fazendo a cabeça dele contra mim. Nem o endereço de onde eles moram ela deu. Vem me privando de exercer meus direitos como pai”, declara José Nildo.

A equipe do CINFORM procurou a ex-esposa, que declarou sofrer agressões físicas e verbais, tanto com ela quanto com seu filho, enquanto era casada com José Nildo. Inclusive, a mulher denuncia que José Nildo agrediu seu avô.

“Eu sei que errei no passado, mas o nosso filho não tem nada a ver. Quando fomos casados ele bebia muito e nos batia, nos agredia tanto fisicamente como verbalmente. Era um relacionamento abusivo”, relata a mulher que não quis se identificar.

AGRESSÕES, TRAIÇÕES E MENTIRAS

Na época da suposta agressão, ela relata que chegou a ir até à delegacia efetuar a denúncia, porém, estava se mudando para São Paulo e retirou a queixa. José Nildo se defende das acusações, declarando que a mulher é mentirosa, que faz tudo isso para prejudicá-lo e privá-lo de ver a criança.

“Ela é mentirosa, faz tudo isso para que eu não veja meu filho. Quando fomos casados ela me traía, foi um relacionamento de idas e vindas, a perdoei quando soube de uma traição, mas ela continuou agindo dessa maneira. Então terminamos e ela levou meu filho para São Paulo, ela tem família lá, disse que ia para passar quatro meses e nunca mais voltou. E toda a vez que tento falar com meu filho, ela não deixa que eu fale direito com o menino”, afirma.

Por: Jornal CINFORM