Mais de 300 obras estão paralisadas em Sergipe

Pelo menos 51 dos 75 municípios sergipanos estão com obras paralisadas. É o que aponta o levantamento feito pelo Ministério Público de Contas, vinculado ao Tribunal de Contas do Estado (TCE/SE). São 343 obras públicas paradas só em Sergipe que, segundo o procurador do MPC, Eduardo Côrtes, têm um custo financeiro de mais de R$ 440 milhões.

Uma das situações emblemáticas no estado é a ampliação do Aeroporto Internacional Santa Maria, em Aracaju, que teve a execução do serviço suspensa porque o terminal de passageiros está na relação dos que devem ser cedidos à iniciativa privada pelo Governo Federal. 

As obras tiveram início em 2013 e seriam concluídas  em 2016, mas um ano antes o trabalho foi interrompido por falta de recursos.Outras obras inacabadas são as do Centro de Convenções – que seria reiniciada em fevereiro -; do Hospital do Câncer – que não tem previsão de ser retomada – e a duplicação da BR 101, prevista há 20 anos. Para esta última, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (DNIT) retomou o serviço este ano no trecho entre Pedra Branca, no município de Laranjeiras, e Maruim, após decisão da Justiça Federal em Sergipe, que determinou a conclusão em 120 dias.

Nesta quinta-feira (3), em entrevista ao Jornal da Fan, o procurador afirmou que o problema dessa paralisação de obras é na gestão e não da legislação. Segundo ele, faltam “planejamento e equipe preparada para elaboração de projetos básicos”.O destaque foi para o número de obras paralisadas e o custo delas para o Estado, conforme relatório elaborado pela engenharia do TCE em junho do ano passado. O valor total das obras paralisadas soma R$ 447.431.994,61. 

O relatório aponta ainda a obra de uma creche na cidade de Estância, em que os serviços estão parados há 870 dias, ou seja, mais de dois anos.Das 343 obras paradas, 70 deverão ser auditadas e os gestores responsabilizados por possíveis atos ilícitos cometidos, segundo o procurador.

Por: F5 News