Rodar com o tanque na reserva causa danos ao veículo e pode render multa de R$ 130

Como a greve dos caminhoneiros tem feito muitos motoristas andarem com os veículos na reserva, aumenta o risco de que esses automóveis venham a ter problemas mecânicos. Muitos condutores ignoram o risco, mas essa situação pode causar prejuízos futuros.

Um dos riscos é a possibilidade de danificar a bomba de combustível. Deixar o tanque com pouca gasolina ou etanol pode superaquecer a peça e até queimá-la, porque o próprio combustível é o responsável por resfriá-la. Dependendo do modelo do carro, a bomba de combustível pode custar de R$ 70 a R$ 750 (veículos nacionais). Isso sem contar o custo da mão de obra.

Na melhor das hipóteses, considerando que a peça não seja danificada, resíduos sólidos que ficam no fundo do tanque são aspirados quando o automóvel circula com o tanque no vermelho. Isso pode acarretar entupimentos do filtro de combustível (a peça pode custar de R$ 15 a R$ 250) e dos bicos injetores que levam a gasolina ou o etanol até o motor (o preço da limpeza varia).

Vale lembrar que a quantidade de combustível na reserva é o suficiente para que o motorista vá até um posto de abastecimento. Em hipótese alguma, essa gasolina ou esse etanol extra deve ser consumido até o fim. O ideal é rodar com, pelo menos, 1/4 do tanque.

O motorista também não deve confiar na quilometragem apresentada no painel do carro, indicando o quanto ainda é possível percorrer com o tanque na reserva. Como todo sistema eletrônico, esse medidor está sujeita a falhas.

Se veículo parar por falta de combustível, a infração é considerada média. A multa equivale a R$ 130,16, com perda de quatro pontos na carteira de habilitação. Neste caso, o carro pode ser rebocado.

Na semana passada, o vice-presidente da Comissão de Transportes da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), deputado Dionísio Lins (PP), declarou que encaminharia ao Comando Geral da Polícia Militar e à Guarda Municipal, nesta segunda-feira, um pedido para que todas as multas aplicadas a carros particulares parados em vias públicas dpor falta de combustível desde o início da greve sejam suspensas. Mas, por enquanto, não há uma posição sobre isso.

Por: Agência o Globo