Vem zoeira aí: Vardo da Lotérica quer trocar Câmara de Itabaiana pela Assembleia Legislativa

Se você gritar numa praça pública de Itabaiana pelo nome de Arivaldo de Rezende, vereador de quatro mandatos deste município, é possível ninguém saiba de quem se trata. Mas se chamar pelo apelido de Vardo da Lotérica, é imediatamente identificado. 

E aí ele sai do anonimato de uma forma surpreendente e muitíssimo reconhecido. Vardo da Lotérica é uma figura pop. Pop pelo bizarro. Pelo folclórico: usa um discurso bruto, desconexo, cheio de palavras fora de contexto da diplomacia e às vezes do decoro parlamentar. No YouTube circula uma fala antológica dele, em plena tribuna da Câmara, acusando seus pares de serem uns “cheira-peidos” de prefeito.  

Mas esse Vardo da Lotérica quer ampliar este estilão no espaço político sergipano. Pretende trocar a Câmara Municipal de Itabaiana pela Assembleia Legislativa de Sergipe. E aí o discurso dele fica mais sóbrio. O senhor é candidato em nome de que projeto?, pergunta-lhe esta Coluna Aparte.

“O meu projeto é o de acabar essa corrupção que tem por aí. É o de acabar com o atraso no pagamento do funcionário público em Sergipe e é pra ajudar o povo carente do Estado”, diz ele, como se estivesse disputando mandato de governador e não o de deputado estadual.

Vardo da Lotérica - ele tem este nome porque lidou com o jogo do bicho por um bom tempo - vai apoiar a pré-candidatura de Valadares Filho, PSB, ao Governo de Sergipe. E manifesta consciência quando questionado sobre suas chances eleitorais nesta disputa. “A minha chance é que todo mundo tem. Estou na mão de Deus e na do povo de Sergipe”, diz.

Mas para Vardo, o tipo grotesco que ele faz e que vaza folcloricamente para as mídias sociais pode lhe render bons dividendos eleitorais. “Eu me acho um cara reconhecido e quem me curte é porque gosta de mim”, diz. O senhor acredita que isso dá voto? “Se eu acredito que quem me curte é porque gosta de mim, então vai votar em mim”, repete.

Na verdade, se seu estilão vai lhe ajudar na busca de uma vaga na Alese é algo difícil mesmo de prever. Mas que o estilo Vardo o favorece, parece ser uma resposta que a reeleição dele em 2016 sobre 2012 já confirmou: ele saiu de 1.875 pelo PP para 2.375, pelo PMDB - já foi ligado ao deputado Luciano Bispo. Isso equivale a um crescimento líquido de 500 votos.

Mas Vardo parece ter alguns lapsos de memória ruim para um político. Em face da pergunta de como tem sido suas votações, respondeu categoricamente: “Nessa última eleição, fui o primeiro mais votado”. Não foi. Foi o quarto, atrás de Zé Roberto O Imperador, Vaguinho e João Cândido. Perguntado por qual partido disputaria o mandato de deputado agora, garantiu ser pelo PPS. Um assessor o corrigiu: é pelo PTB.

No mais, Vardo soma com o senso comum, de achar que a corrupção deve ser combatida com rigor e cadeia. “Eu acho o seguinte: que Sérgio Moura venha faça varredura e bote tudo na cadeia esses ladrões. Roubou, é cadeia! E fazer devolver o dinheiro do povo. Não defendo Lula candidato a presidente. Tanto que ele errou, que ele está preso”, diz.

Por: JL Politica