Aneel mantém bandeira vermelha mais cara nas contas de luz em agosto

A conta de luz dos brasileiros seguirá mais cara em agosto, mês em que irá vigorar a bandeira tarifária vermelha nível 2, o mais elevado para as cobranças adicionais. Com isso, as contas de luz continuarão com a cobrança extra de R$ 5 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos.

A informação foi divulgada nesta sexta-feira pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Em julho, a bandeira vermelha 2 também foi aplicada.

"A manutenção da cor da bandeira deve-se ao prosseguimento das condições hidrológicas desfavoráveis e à redução no nível de armazenamento dos principais reservatórios do Sistema Interligado Nacional (SIN)", expliocu a Aneel.

O sistema de bandeiras sinaliza o custo real da energia gerada. A cor da bandeira é impressa na conta de luz (vermelha, amarela ou verde). Quando chove menos, por exemplo, os reservatórios das hidrelétricas ficam mais vazios e é preciso acionar mais termelétricas para garantir o suprimento de energia no país. Nesse caso, a bandeira fica amarela ou vermelha, de acordo com o custo de operação das termelétricas acionadas.

As contas de luz estão mais caras desde maio, quando foi acionada a bandeira tarifária amarela, que gera um custo extra de R$ 1 a cada 100 kW/h em energia consumida. Em junho, a sobretaxa aumentou para R$ 5, com a bandeira tarifária vermelha nível 2.

Especialistas avaliam que a bandeira vermelha deve permanecer até outubro, com possibilidade de ser estendida até dezembro, caso as chuvas não sejam suficientes para regularizar o nível de água nos reservatórios das hidrelétricas.

O volume da água para as hidrelétricas segue em queda e voltou a se aproximar do comportamento visto no ano passado, o pior da série histórica. As barragens que abastecem o sistema interligado nacional estão cerca de 12 pontos percentuais abaixo do volume estimado para esta época do ano, segundo cálculos da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

A previsão da CCEE é que o nível de água nos lagos das hidrelétricas permaneça muito baixo, apesar de um pouco maior que o registrado em 2017.

Parada de usinas térmicas

A decisão da Petrobras de fazer uma parada programada para manutenção na plataforma de Mexilhão, no pré-sal da Bacia de Santos, também deve ter impacto na conta de luz do brasileiro. A plataforma, que ficará paralisada até 8 de setembro, produz gás destinado a usinas termelétricas no Sudeste e no Nordeste. O episódio deixou em alerta a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Para suprir os 15 milhões de metros cúbicos por dia de gás natural de Mexilhão, a estatal vai aumentar a oferta de gás natural liquefeito (GNL) importado em 20 milhões de metros cúbicos por dia. Neste cenário, as alternativas seriam usar gás importado, mais caro, ou recorrer a usinas movidas a outras fontes, como diesel, que também têm preço mais elevado.