.

Dilson de Agripino nega Jackson Barreto e Márcio Macedo. Vai de André e Gustinho

Pré-candidato a deputado estadual pelo PPS, o ex-prefeito de Tobias Barreto, Dilson de Agripino, que teve dois mandatos pelo PT até 2016, parece não querer mais nada com o seu passado petista e nega eleitoralmente companheiros dessa sigla e de outras ex-aliadas.

Numa entrevista a uma emissora de rádio de Tobias Barreto nesta terça-feira, Dilson disse que, dos antigos aliados, vai votar apenas com Rogério Carvalho, PT, para o Senado. Nada mais de Márcio Macedo, PT, para a Câmara Federal e nem Jackson Barreto, MDB, para o Senado.

No mais, prefere ir de André Moura, como segundo voto ao Senado – Jackson Barreto era o esperado -, de Eduardo Amorim ao Governo e de Gustinho Ribeiro, para deputado federal.

Dilson deixou claro que mantém essas opções de voto, caso o PPS opte por outra candidatura, como a de Valadares Filho, PSB, ao Governo do Estado.

Para ele, se o PPS pegar outro caminho que não seja esse, não terá a sua participação. “Essas são as decisões que nós vamos seguir, independentemente de qualquer outra opção do PPS”, reforçou.

O estranho disso tudo, e que causou impacto na política de Tobias Barreto, é que se esperava que Dilson de Agripino fosse um eleitor incondicional de Jackson Barreto.

A expectativa de voto dele para deputado federal era também que fosse para Márcio Macedo, seu ex-companheiro petista. E isso também impactou.

Fonte: JL Política