Jackson diz que André e Eduardo Amorim prejudicaram Sergipe

Candidato ao Senado pelo MDB, Jackson Barreto percorre o interior do estado visitando obras iniciadas em sua gestão e fortalecendo alianças. Na última sexta-feira, dia 10, Jackson esteve em Lagarto, no Centro Sul, observando investimentos nas áreas de abastecimento e saneamento ao lado do deputado federal Fábio Reis e concedeu entrevista à rádio Aparecida FM. Jackson falou sobre a falta de apoio do Governo Federal para execução de projetos em Sergipe, a exemplo da ampliação do Aeroporto Santa Maria e da liberação do Finisa para recuperação de estradas. “Trabalhei para ajudar meu estado e Amorim e André Moura trabalhando para prejudicar Sergipe”, disse.

Jackson afirmou ainda que procurou o líder do governo Michel Temer, o deputado federal por Sergipe, André Moura (PSC) para ajudar a fazer a obra do Aeroporto, do canal de Xingó, mas nada saiu do papel. “Ele me recebeu, fotografou, colocou nas redes sociais. Eu achando que daria alguma coisa. Tudo enganação. Só para fazer pose e comprometer minha imagem com eles. Do ponto de vista prático, não consegui nada. Se não fosse o protagonismo de Fábio Reis para abrir algumas portas, tudo seria ainda mais difícil. Sobrou foto e faltou dinheiro”, declarou.

O futuro senador afirmou que esteve diversas vezes em Brasília em busca da liberação de recursos para execução do Finisa, linha de crédito de R$ 560 milhões para recuperação de rodovias estaduais. No entanto, informou, mesmo com o projeto aprovado pela Caixa Econômica Federal e pela Secretaria do Tesouro Nacional, Sergipe não obteve o crédito.

“Fui um governador que passei muitas dificuldades em Brasília. Nosso projeto foi aprovado pela Secretaria do Tesouro Nacional, o que atesta a capacidade de endividamento do estado. No dia 19 de dezembro de 2017, a Caixa Econômica Federal julgou e aprovou. Fui conversar com o presidente e ele disse que não autorizava e que ia aguardar a reforma da previdência para saber como iam se comportar os parlamentares de Sergipe. Não sou MDB de Temer. Sou MDB de Ulisses de Guimarães. O homem tem que ser julgado pela sua história e pela sua obra. Minha história só me orgulha. Sou de uma geração que não teve medo do enfrentamento e assim me mantenho”.

Investimentos em Lagarto – Questionado sobre os investimentos realizados em Lagarto quando estava à frente do Executivo, o candidato lembrou que reformou o Balneário da Bica, construiu o mercado municipal, investiu em pavimentação e que iniciou a ampliação da rede de abastecimento de água e implantação de saneamento, as quais vêm sendo concluídas por Belivaldo Chagas.

Orçada em R$ 83,5 milhões, a duplicação da adutora do Piauitinga atende o crescimento populacional do município, que saltou de 94 mil habitantes para 101 mil, após a implantação do campus da Universidade Federal de Sergipe, conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A obra contará com uma captação, uma Estação de Tratamento de Água (ETA), uma estação elevatória de água tratada, 46,6 km de adutoras, um reservatório de distribuição com capacidade de 2.000 m³ e 14.436 ligações prediais.

“As obras de esgotamento e de água me dão muita alegria porque dialogam com a modernidade e com o futuro de Lagarto. Visitei, hoje, a estação de tratamento e de abastecimento. O lagartense precisa conhecer a estação que está sendo construída. Essas obras foram viabilizadas com a parceria do deputado federal Fábio Reis, com isso, Lagarto passará a integrar a lista de municípios com rede de abastecimento de água e de esgoto. A atual rede de abastecimento de água foi construída quando o município tinha 50 mil habitantes. Hoje, Lagarto tem mais de 100 mil. Fizemos o projeto e conseguimos liberação junto ao PAC. A obra está em execução, um investimento de mais de R$83 milhões que, quando concluído, vai atender a sede e vários povoados, além de Simão Dias, Salgado, Riachão do Dantas e Pedrinhas”.

O candidato foi perguntado qual o diferencial do grupamento político que integra, haja vista que o mesmo está no poder desde 2006. Jackson escolheu o termo protagonismo para explicar o porquê de continuar trabalhando em prol dos sergipanos.

“O protagonismo deste grupo é impressionante. Quem fez aqui, ali e acolá? O nosso grupo. Toda a discussão e todos os benefícios de obras empregadas na região foi o nosso grupo. Essa é a nossa diferença. É dessa forma que o povo vai julgar nessa eleição. Quem ama, cuida, tem trabalho, tem obras, tem serviços. Eu amo Lagarto. As coisas boas precisam ser contadas. Aqui, o meu grupo é composto por Fábio Reis, Goretti Reis entre outros. Todos aqueles que estão comigo desde 1994. É uma história de caminhada e de aliança política em benefício do povo lagartense e, também, dos sergipanos”.