O crescimento vertiginoso de Diná Almeida e as suas reais chances de ser eleita.


Reais chances de eleição

Diná Almeida está na chapinha (PODE, PMN, PATRI E AVANTE), onde é cabeça de chapa juntamente com Zezinho Sobral. Está tendo o apoio de fortes lideranças, como, Fábio Reis, Gerônimo Reis, Rosman Pereira dos Santos, Washington da Mariquita, Dé do Perfume, entre outros. Diná, que vem crescendo vertiginosamente, precisa aproximadamente de quinze mil votos, enquanto Dilson, o seu principal adversário, de aproximadamente de vinte e cinco mil. Ela tem feito um excelente trabalho em outras cidades, o que aumenta a chance de ser eleita.

Dilson precisa de quase o dobro de votos para se eleger. As suas chances diminuem, estando em um grupo composto por golpistas mal afamados, como André Moura. Se não bastasse, existe nomes bem mais forte do que o dele na sua coligação, como por exemplo, Daniel Fortes e João Marcelo, que conta com o apoio de Sukita e sua popularidade. Se contar que ele não tem feito um trabalho fora semelhante ao de Diná Almeida. Isso dá uma vantagem a candidata da situação, aumentando a sua chance de ser eleita.

Mudança de estratégia

Hoje pela manhã, o jornalismo Online esteve na Câmara de Vereadores e constatou uma calmaria incomum naquele recinto, nesse período que antecede as eleições. Ninguém se manifestou contra o cadastramento para as casas populares, que foi motivo de polêmica e que teve até a intervenção do Ministério Público. O vereador Romildo,  pertencente ao grupo político do qual fazem parte, André Moura e Eduardo Amorim, elogiou Lula e o defendeu como um preso político. Isso mesmo, trata-se da nova estratégia de Dilson de Agripino para aproveitar a favoritismo de Lula nas pesquisas e não ser acusado de traidor.

Na contramão

No entanto, associar o seu nome ao do ex-presidente, estando no mesmo barco dos seus algozes, é uma proposta difícil de engolir e revela o verdadeiro caráter desse político de fala mansa e cheio de artimanhas. Por outro lado, os eleitores de Diná Almeida ainda não caíram na real que a candidata a deputada pertence ao grupo político que nunca rompeu com Lula, e pede “Lula Livre” nos palanques. Alguns insistem em postar absurdos contra o candidato a presidente ao mesmo tempo em que ataca os seus defensores. Essa atitude pode causar uma resistência nos que votam em Lula, mas não votam em Dílson por considera-lo traidor.

Fonte: Jornalismo Online