Municípios de Sergipe são mobilizados para a prevenção ao suicídio

Esta segunda- feira, 10 de setembro, é o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) dão conta de que a cada 40 segundos uma pessoa comete suicídio no mundo. A Secretaria de Estado da Saúde (SES), condutora da Política de Atenção Psicossocial em Sergipe, está intensificando a mobilização dos gestores municipais para a execução de ações durante o Setembro Amarelo, mês dedicado à prevenção do suicídio. Cards, protetores de tela e cartilhas digitalizados foram enviados aos municípios para compor a ambiência nas unidades de saúde e estimular as atividades.

De acordo com a Referência Técnica da Rede de Atenção Psicossocial da SES, Anusca Barros, os municípios programaram diversas ações para acontecer nos territórios, como palestras, seminários, ações educativas e de sensibilização com o objetivo de chamar a atenção da sociedade para a prevenção do suicídio. Outra informação alarmante, segundo a Referência Técnica, é que a cada três segundos uma pessoa atenta contra a própria vida.

“Os dados do suicídio despertam a necessidade de ação por parte dos gestores em defesa da vida. O que nós queremos é sensibilizar a população, mobilizar formadores de opinião, divulgar fatores e comportamentos de risco, além de enfatizar formas de prevenção ao suicídio”, reforçou Anusca Barros, informando que está na programação da SES a realização neste mês de setembro de uma palestra sobre a temática voltada para os servidores do Centro Administrativo da Saúde Senador Gilvan Rocha e da Fundação Estadual de Saúde (Funesa).

Segundo Barros, quando se aborda prevenção do suicídio está se falando de como a pessoa – seja familiar, colega de trabalho ou profissional de saúde – pode perceber e identificar os sinais de um possível suicida e a partir daí criar uma rede de cuidados para apoiá-lo. De acordo com ela, os principais fatores de risco para o suicídio são transtorno mental e histórico de tentativa de tirar a própria vida.

A maioria das pessoas com ideias de morte comunica seus pensamentos e intenções suicidas. Elas, frequentemente, dão sinais e fazem comentários sobre “querer morrer”, “sentimento de não valer pra nada”, e assim por diante, conforme realçou Anusca Barros. “Na verdade, estes são pedidos de ajuda que não podem ser ignorados. É importante ficar atentos às frases de alerta porque por trás delas estão os sentimentos de pessoas que podem estar pensando em suicídio”, salientou.

Como ajudar

Ao identificar os sinais de um possível suicida, é importante ouvir com cordialidade e tratar a pessoa com respeito. É essencial proporcionar um espaço para que aquele que sofre consiga compartilhar suas emoções e pensamentos. Isso permite que as dores emocionais sejam aliviadas, e a mente comece a ser esvaziada. Os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) também são excelentes  alternativa para buscar ajuda para a pessoa que está sofrendo.

Seminário

No dia 16 de outubro, a Secretaria de Estado da Saúde, por meio da Rede de Atenção Psicossocial, irá realizar um seminário na Faculdade Estácio. O objetivo, segundo Anusca Barros, é apresentar aos estudantes as experiências exitosas do Setembro Amarelo e sensibilizá-los para tornarem-se multiplicadores em defesa da vida.

Bandeira

Para simbolizar o mês de prevenção do suicídio, a Secretaria de Estado da Saúde fixou duas bandeiras amarelas no alto do prédio do Centro Administrativo da Saúde Senador Gilvan Rocha. Dentro da sede, outros símbolos também serão trabalhados.

Da assessoria