Número de diabéticos no Brasil deve dobrar nos próximos 30 anos

Controlar a taxa de glicemia é a maior dificuldade para quem vive com diabetes no Brasil. Mais de 13 milhões de brasileiros entre 20 e 79 anos sofrem com o diabetes.

O dado é da SBD (Sociedade Brasileira de Diabetes), que estima que até 2045 a doença afete 24 milhões de pessoas, e a maior parte dos pacientes não vai conseguir controlar a doença.

Existem dois tipos de diabetes. O tipo 1, de origem genética, que começa a se manifestar na infância ou na adolescência; e o tipo 2, que pode ser desenvolvida na fase adulta e é influenciada pelo estilo de vida da pessoa. Neste caso, hábitos como tabagismo, sedentarismo e má alimentação contribuem para o surgimento da doença.

Um estudo feito por pesquisadores das universidades federais do Rio Grande do Sul, Amazonas, Pará e São Paulo em 28 centros de saúde pública de 20 cidades brasileiras, concluiu que apenas 23% das crianças e dos adolescentes e 9% dos adultos com diabetes conseguem o controlar o índice de glicemia e, desta forma, controlar a doença.

O estudo também apontou que a dificuldade de controle é maior na região Norte do país, seguida da região Nordeste, Sudeste, Sul e Centro-Oeste. Para a endocrinologista Denise Franco, diretora da ADJ (Associação Diabetes Brasil), os números mostram a relação entre a dificuldade de controlar o diabetes e a qualidade dos serviços públicos de saúde.

A especialista explica que o SUS oferece tratamento para o diabetes, mas nem sempre as unidades de saúde têm médico disponível e é comum que falte medicação. “Em uma região do país, o controle pode ser mais fácil porque lá o paciente tem acesso a 200 fitas por mês, mas em outra região, essas fitas podem estar em falta e sem elas, o paciente não tem como fazer o teste para ver o índice de glicose”, explica a médica.

A pesquisa também concluiu que, entre os pacientes de baixa renda, a dificuldade de controle da doença é maior. Isso acontece porque esses pacientes têm mais dificuldade de ter acesso a médicos especialistas, no caso, endocrinologistas – e, desta forma, receber informações mais detalhadas sobre o tratamento e as consequências de ter a doença sem controle.

Entre os pacientes com renda baixa, 65% conseguem marcar consultas com endocrinologista. Entre os pacientes da classe média, o índice sobre para 75% e entre os pacientes das classes mais altas, 78%.

O estudo também aponta que o número de especialistas no Brasil é insuficiente tanto na rede pública quanto na rede particular. De acordo com o CFM (Conselho Federal de Medicina) existem 5.200 endocrinologistas no país. De acordo com a última estimativa do IBGE, o país tem 208 milhões de habitantes, ou seja, uma média de um endocrinologista para cada 40 mil habitantes.

Fonte: R7.COM