Presídio feminino de Sergipe tem 235 internas, seis grávidas

Criado recentemente pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o Cadastro Nacional de Presas Grávidas e Lactantes apresenta dados que apontam crescimento no número de mulheres presas no Brasil que estão gestantes ou amamentando. São 477 no total relativo ao mês de setembro, representando crescimento de 12% em relação ao mês anterior. Em Sergipe, o Presídio Feminino (Prefem), localizado em Nossa Senhora do Socorro, abriga seis internas gestantes e ainda outras duas aguardam comprovações de testes de gravidez.

A diretora do Prefem, Andrea Fernanda, conta que o mês com o maior número de gestantes foi fevereiro desse ano, quando o presídio mantinha dez internas grávidas. O local tem berçário com capacidade para somente cinco gestantes, mas a diretora garante que todas dormem em camas.

“No espaço nós temos condições de adaptar mais internas, que é o nosso caso hoje, estamos com seis confirmadas. Então nós adaptamos para que todas durmam em camas”, ressalta Andrea.

No Prefem, até sexta-feira, 235 mulheres se encontravam encarceradas. Segundo o levantamento do CNJ, cerca de 31 mil mulheres cumpriam pena em todo o país em setembro e 477 estavam grávidas. O estudo aponta São Paulo o Estado com o maior número de gestantes e lactantes, com 164 ao total. Em seguida está Minas Gerais, com 39, Ceará, 38, Goiás, 33, Rio de Janeiro, 26, e Pará, com 22.

Em Sergipe, a diretora Andrea ressalta que as internas da unidade recebem todo o acolhimento de pré-natal a partir do conhecimento da gestação e também no pós-parto.

“Nós temos um médico que atende uma vez por semana na unidade e quando tem criança também temos pediatra. O obstetra vem sempre que tem gestante. Elas ficam em local adequado conforme a Lei de Execução Penal”, disse.

Laís de Melo/Equipe JC