Estratégias para redução da violência nas escolas foi tema de reunião no Fórum de Justiça da Comarca de Itabaianinha

O Juiz Roberto Alcântara de Oliveira Araújo, titular da Vara Cívil e Criminal da Comarca de Itabaianinha, atendeu hoje, quarta-feira (21/11), à um pedido do Secretário Municipal de Educação de Itabaianinha, Thiago Carvalho, e se reuniu com representantes de diversos setores públicos para discutir estratégias para redução das demandas de violência que ocorrem nas escolas municipais por parte de alunos, seja entre eles ou contra os profissionais educadores e contra o patrimônio público.

Na reunião, que contou com a presença e a fala de representantes da Secretaria Municipal de Educação, da Assistência   Social, através do Cras e do Creas, do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente e da PM, por meio do Proerd - Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência, o Cabo PM Emílio Góes, que também é bacharel em psicologia e atua no município realizando programas e projetos voltados para a prevenção, ressaltou que é preciso uma maior integração comunicativa nas ações de todos os órgãos ligados, direta ou indiretamente, ao tema.

O Secretário Thiago Carvalho, salientou os investimentos do Município em novas tecnologias e em projetos e parcerias para o melhor desenvolvimento educacional dos munícipes. Porém, também lembrou da importância de trazer as famílias para juntos encontrarem soluções para a violência praticadas por alguns de seus filhos nas escolas.

 Depois de ouvir e debater  com cada um dos presentes, o Juiz Roberto Alcântara, elencou uma série de medidas, que poderão servir como contribuição do judiciário à problemática, dentre elas estão:

- Participação de representantes da Rede de Ajuda (formada pelos presentes e outros convidados) nas pautas de Atos Infracionais cometidos por adolescentes.

- Audiência mensal envolvendo, no mínimo, um conciliador do fórum e os pais e alunos com histórico de violência ou uso de drogas nas escolas.

- Palestras educativas para pais/responsáveis por alunos faltosos ou com histórico de violência. 
Tais medidas, entram em vigor à partir do início do ano letivo de 2019, sem prejuízo dos processos já em andamento.