Pezão é o quarto governador do Rio de Janeiro preso

Luiz Fernando Pezão (MDB) é o quarto governador do Rio de Janeiro preso nos últimos anos, e o primeiro detido durante o exercício do cargo na história recente do Rio. Antes dele, foram presos Sérgio Cabral, Rosinha Garotinho e Anthony Garotinho —Cabral em decorrência de investigações da Lava Jato e o casal Garotinho por investigações da Justiça Eleitoral.

Desde 1999, quando Garotinho assumiu mandato como governador, apenas Benedita da Silva (PT) pisou no Palácio das Laranjeiras sem, posteriormente, pisar em alguma carceragem (vice de Garotinho, ela assumiu o cargo em 2002, quando ele renunciou para se candidatar à Presidência).

Antes de 1999 e após a redemocratização (1985), o Rio de Janeiro foi governado por Leonel Brizola (morto em 2004), Moreira Franco (investigado pela Lava Jato) e Marcello Alencar (morto em 2014). Nilo Batista, vice de Brizola, também chegou a assumir o governo por oito meses; hoje se dedica ao trabalho acadêmico.

Entre todos aqueles que foram eleitos como governador do Rio de Janeiro e que ainda estão vivos, apenas Moreira Franco não foi preso —contudo, ele é investigado pela Operação Lava Jato.

Pezão foi preso preventivamente na quinta-feira (29) no Palácio das Laranjeiras pela Polícia Federal. O Ministério Público Federal do Rio de Janeiro, munido da delação de Carlos Miranda, ex-operador financeiro de subornos de Sérgio Cabral, acusa Pezão de se beneficiar de esquema pelo qual teria recebido vantagens ilícitas, mesmo após a prisão de Sérgio Cabral.

Outros dois governadores foram presos durante o exercício do cargo. Um deles, José Roberto Arruda (DEM), do Distrito Federal, foi preso em fevereiro de 2010. No entanto, ele não foi retirado da sede do governo pela polícia; entregou-se espontaneamente à PF.

A prisão de Arruda se deveu à acusação de ter participado de esquema de propina na obra do estádio Mané Garrincha. Em março de 2010, teve seu mandato como governador cassado. Segue detido, após duas condenações.

O outro governador foi Ronaldo Cunha Lima (PSDB), preso em 1993, por ter tentado matar o ex-governador da Paraíba Tarcísio Burity. Cunha Lima não aceitou as críticas de Burity ao seu filho Cássio Cunha Lima (hoje senador do PSDB). Ronaldo Cunha Lima morreu em 2012 sem nunca ter sido julgado pela tentativa de homicídio.

Fonte: Folha de SP