.

João de Deus não deve se apresentar antes das 20h deste sábado, diz delegado-geral da Polícia Civil de Goiás

O delegado-geral da Polícia Civil de Goiás, André Fernandes, afirmou que a corporação segue negociando com a defesa a apresentação de João de Deus, mas que isso não deve acontecer antes das 20h deste sábado (15). O médium teve a prisão decretada na sexta após mais de 300 relatos de abuso sexual. Ele sempre negou as acusações.

De acordo com o delegado, João de Deus não é considerado foragido, pois não há prazo no mandado de prisão para que ele se entregue e porque existe a negociação com a defesa para o cumprimento da ordem.

“Para a Polícia Civil do Estado de Goiás, só falta definir o horário e o local. [Sobre horário] Aí eu não posso te definir, vai depender mais do contato que nós vamos fazer, mais no início da noite”, afirmou à TV Anhanguera.

Ainda segundo Fernandes, equipes seguem procurando pelo médium independentemente das negociações. “Apesar disso, temos equipes procurando. Tem equipe aí que está bem distante, viu?”.

Questionado se a apresentação poderia acontecer antes das 20h, ele declarou: “Não, não acontece de jeito nenhum.”

Mais cedo, o advogado Alberto Toron, havia dito que o médium irá se entregar às autoridades, mas que não podia dizer quando nem onde. Até a noite de sexta-feira (14), os policiais já tinham procurado João de Deus em mais de 20 endereços, mas não conseguiram encontrá-lo.

A força-tarefa do Ministério Público divulgou que já recebeu 335 mensagens e contatos por telefones de mulheres que denunciam o médium por abuso sexual. Os relatos chegaram de pessoas de seis países diferentes, além de 13 estados do Brasil e o Distrito Federal.

Última visita à Casa

Na manhã de quarta-feira, João de Deus compareceu à Casa Dom Inácio de Loyola, onde realiza os trabalhos espirituais, pela primeira vez desde que as denúncias vieram à tona. Durante os poucos minutos que ficou no local, ele disse que era inocente e que confiava na Justiça de Deus e dos homens.

“Meus queridos irmãos e minhas queridas irmãs, agradeço a Deus por estar aqui. Ainda sou irmão de Deus, mas quero cumprir a lei brasileira porque estou na mão da lei brasileira. João de Deus ainda está vivo. A paz de Deus esteja convosco”, diz João de Deus.

A assessora de imprensa do religioso, Edna Gomes, afirmou, após as declarações, que o médium era inocente, mas que as denúncias eram graves e deveriam ser apuradas.

Fonte: G1