MPE faz representação contra Valdevan por suspeita de compra de votos

O Ministério Público Eleitoral ingressou com mais uma representação contra o deputado federal eleito Valdevan Noventa (PSC). Desta vez, a suspeita é de que, durante a campanha eleitoral, houve a prática de compra de votos pelo então candidato.

Foi aberta mais uma ação de investigação judicial-eleitoral para apurar o caso. A procuradora regional Eleitoral Eunice Dantas informou que o procedimento foi protocolado no fim da tarde desta segunda-feira, 17, momentos antes da solenidade de diplomação dos políticos eleitos.

“Nos documentos que foram compartilhados pela Polícia Federal, com autorização judicial, durante a prisão de Valdevan e a busca e apreensão, foram detectadas diversas fotos de títulos de eleitores, várias anotações com valores, dando a entender que era compra de voto. Há conversas entre ele e uma assessora em que eles comentam que compraram votos em Aracaju e que a campanha em Sergipe foi cara, que as pessoas pediam dinheiro e eles tinham que dar”, detalhou Eunice.

A representação é embasada no artigo 41-A da Lei Eleitoral, que diz respeito sobre captação ilícita de sufrágio. A consequência é a cassação do registro de diploma e inelegibilidade por oito anos, além das consequências criminais das supostas práticas.

O advogado de Valdevan Noventa, Fabiano Feitoza, disse que desconhecia a nova representação. “Não tenho conhecimento algum acerca da ação. Soube agora. Não temos ideia do que seja. Vamos esperar ser notificados para nos posicionar”, declarou.

Diplomação suspensa

Valdevan Noventa seria diplomado nesta segunda-feira, 17, junto a outros sete deputados federais eleitos. No entanto, em face de uma ação de investigação judicial-eleitoral em que são apurados o uso de dinheiro público pela Prefeitura de Arauá na campanha, o deputado eleito, que hoje está preso em Estância, teve a diplomação suspensa.

De acordo com os levantamentos do Ministério Público Federal, através da Procuradoria Eleitoral, o prefeito de Arauá, José Ranulfo dos Santos, se utilizou de recursos públicos para “irrigar” a campanha de Valdevan.

Fonte: Portal Infonet