.

Há vagas para médicos atuarem no interior de Sergipe

Das 8.517 vagas disponibilizadas no Programa Mais Médicos para substituir os profissionais cubanos, cerca de 1.462 ainda não foram preenchidas no Brasil. Em Sergipe, do total de 94 vagas para médicos cubanos, quatro permanecem desocupadas. O último edital foi lançando no final do ano passado, quando Cuba deixou o programa após declarações do atual presidente Jair Bolsonaro de “expulsá-los” do país por meio da prova do revalida. 

Apesar da quebra de contrato, ocorrida em novembro de 2018, cerca de 1.400 médicos cubanos ainda permaneceram no país. Conforme a lei do programa, aos profissionais que constituíssem família no Brasil, lhes seriam concedidos o visto de permanência. Foi o que ocorreu com essa parcela de médicos que ainda continuam preenchendo as vagas do programa. 

De acordo com o Ministério da Saúde, o próximo edital abrirá inscrição para médicos brasileiros formados no exterior. Três municípios ficaram sem os médicos cubanos em Sergipe: Poço Redondo, Gararu e Umbaúba. 

Dados do Programa Mais Médicos, de maneira geral, que não inclui somente médicos cubanos, - embora eles representem um pouco mais da metade dos participantes de acordo com dados obtidos pelo portal de notícias G1 – em Sergipe existem atualmente 168 médicos trabalhando na rede de saúde básica pelo programa Mais Médicos.

Para quem não conhece o programa, esses profissionais trabalham em cidades distantes e em situações mais precárias. Todos os profissionais, independentemente do país de origem, precisam ter diploma de medicina expedido por instituição de ensino superior estrangeira, habilitação para o exercício da profissão no país de origem e ter conhecimento de língua portuguesa, regras da organização do SUS e de protocolos e diretrizes clínicas de atenção básica. 

Em Sergipe, 31 vagas do programa Mais Médicos ainda estão em aberto. No entanto, é necessário aguardar lançamento de novo edital para a reposição dos profissionais.

A saída dos médicos cubanos do programa gerou muita discussão e polêmica no país. Conforme divulgado na imprensa, eles deixaram cerca de oito mil postos de trabalho e houve uma desassistência generalizada no sistema de saúde pública. A próxima etapa do edital lançado no final de 2018 será para o preenchimento de 1,4 mil vagas para médicos com diploma estrangeiro, mesmo sem a revalidação do documento. 

Brasileiros formados no exterior poderão escolher os locais de atuação entre os dias 23 e 24 de janeiro. Se ainda restarem vagas, estrangeiros formados fora do país podem escolher municípios onde trabalhar nos dias 30 e 31 de janeiro.

Fonte: Jornal da Cidade