.

Dia da Mentira: Trote é crime e pode acabar em prisão

No Dia da Mentira, o Portal Infonet faz um alerta para os altos índices de trotes registrados em serviços essenciais, como o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp). Caso seja identificado, o autor desse tipo de prática, pode ser detido e condenado a pena de um ano a seis meses de prisão ou multa.

De acordo com levantamentos da Secretaria de Estado de Saúde (SES), em um único dia, o Samu chegou a receber 200 trotes. “O que chama atenção é que em alguns dias e horários, o percentual pode chegar até 80%, nas madrugadas, por exemplo, as vezes recebemos 10 chamadas e dessas 8 são falsas”, explica o assessor de comunicação da SES, André Carvalho.

Um dos últimos levantamentos realizados pelo serviço de monitoramento da SES, conforme André Carvalho, apontou que um determinado número ligou para o Samu mais 1600 vezes na mesma semana. “Hoje o maior percentual dos trotes recebidos são aqueles em que o praticante realiza um número excessivo de ligações em curto espaço de tempo, bem com os de tom ofensivo dirigido aos nossos telefonistas, principalmente palavras de baixo calão e cunho sexual”, detalha.

A prática das falsas chamadas (trotes) acarreta inúmeras consequências para o Samu levando a prejuízos inestimáveis para aqueles que realmente necessitam do serviço. “Esses trotes congestionam as linhas telefônicas, atrasam o envio das unidades de atendimento, provocam gastos financeiros com combustível, materiais e equipamentos, a desassistência e o desrespeito às equipes”.

Ciosp

No Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp), que concentra os atendimentos as Polícias Militar e Civil, incluindo a Polícia Técnica e o Corpo de Bombeiros, os números também são alarmantes. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP), de janeiro a dezembro de 2017, foram registrados 113.568 trotes. Em 2018, somente de janeiro a agosto, os trotes chegaram a 45.078 trotes.

O diretor do Ciosp, coronel William Vasconcelos, explica que os trotes prejudicam o funcionamento do Ciosp, visto que o atendente e a guarnições são deslocadas para ocorrências que não existem, quando poderiam estar atendendo a verdadeira situações de emergência. “Nesses dois minutos de ligação, a gente atende o trote quando poderia atender a uma ocorrência verdadeira. A Polícia é acionada, se desloca e gasta gasolina”, explica.

A problemática dos trotes é mundial, mas conforme informações do coronel William Vasconcelos, Sergipe tem reduzido esses índices por meio do uso da tecnologia. Entre 2016 e 2017, foram 15 mil trotes a menos. De 2017 para 2018, 35 mil. Os dados comparativos entre 2018 e 2019 ainda estão em análise, mas a estimativa é de 40 a 50 mil trotes a menos.

“Todas as ocorrências falsas em que a polícia foi deslocada, incluindo os números de telefones, são enviadas para a Polícia Civil. Então, o índice de pessoas processadas por causa de trote aumentou e muitas pessoas deixaram de ligar. Outra ferramenta é block list. Quando o mesmo número completa 20 ligações no Ciosp, ele entra na lista de bloqueio e não consegue mais telefonar para o 190. O desbloqueio só acontece se a pessoa acionar o Ciosp e assinar um termo de responsabilidade. Esses dados vão para a Polícia Civil que é a responsável pelo desbloqueio. A partir dessa situação, muitas pessoas com receio de não poder nos acionar em situação verdadeira de emergência, decidiram parar de fazer trotes”, detalha.

Crime

O artigo 340 do Código Penal diz que é crime provocar a ação de autoridade, comunicando-lhe a ocorrência de crime ou de contravenção que sabe não se ter verificado. A pena é de detenção – que vai de um a seis meses – ou multa.

Fonte: Portal Infonet