.

De janeiro de 2018 até agora, já são 7 policiais mortos em Sergipe

Com a morte do policial Genésio Monteiro da Cruz, que foi alvejado no Povoado Pedrinhas, em Areia Branca, na noite deste domingo, 25, Sergipe já contabiliza sete homicídios envolvendo policial em menos de dois anos.

O soldado Genésio foi fazia o policiamento em uma cavalgada no povoado Pedrinhas, quando iniciou uma confusão e um ex-presidiário identificado como Luís Fernando Rocha dos Santos, começou a fazer disparos em meio às pessoas, atingindo o policial. Genésio foi socorrido e encaminhado ao Hospital de Itabaiana, mas não resistiu.

Desses sete policiais mortos, quatro foram vítimas do crime de latrocínio, que é o roubo seguido de morte. Já os outros três profissionais da Segurança Pública foram vítimas de homicídio doloso.

O caso de maior repercussão do ano passado foi a execução do comandante do Pelotão de Caatinga, o capitão Manoel Oliveira, de 42 anos. Ele foi morto com mais de 30 tiros na noite do dia 4 de abril de 2018, nas proximidades do povoado Vaca Serrada, no município de Porto da Folha.

Outro caso que também chamou a atenção das autoridades foi a morte do soldado Claydson Domingos, de 30 anos, que foi surpreendido por criminosos enquanto tomava sopa em um estabelecimento localizado no Povoado Malvinas, na Zona de Expansão.  

Já no dia 9 de janeiro deste ano, um sargento da reserva da Polícia Militar, identificado como Ronaldo Bispo dos Santos, morreu após ser baleado em um assalto em uma mercearia localizada no Povoado Nova Descoberta, em Itaporanga D´Ajuda.

De acordo com a Polícia Militar, o sargento foi baleado no momento em que chegou na mercearia e se deparou com os dois assaltantes. O militar foi encaminhado ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos.

“Temos uma sequência de policiais que foram vítimas, ou em serviço ou fora dele, na condição de policial, que quando o cara identifica ele é abatido. Isso é lamentável”, afirma o presidente da Associação dos Militares do Estado de Sergipe (Amese), Sargento Vieira.

O Soldado Genésio possuía cinco anos de corporação estava lotado em um batalhão no interior do estado, mas na noite de ontem ele foi escalado para reforçar o policiamento na Cavalgada do município de Areia Branca. Ele deixa dois filhos.

SSP EM ALERTA / Jornal da Cidade