.

Hoje, 2º turno daria Bolsonaro com 48% X 35% de Haddad

Pesquisa sobre cenários eleitorais mostra que se a disputa presidencial fosse hoje o 2º turno possivelmente repetiria o de 2018, com Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT). O atual chefe do Palácio do Planalto venceria com 48% contra 35% de Haddad.

Haveria ainda 9% dos eleitores que agora não escolheriam nenhum candidato. Outros 6% votariam em branco ou nulo. E 3% não iriam votar ou dizem não saber responder. Leia aqui a íntegra do estudo.

A pesquisa foi realizada pela empresa FSB para a revista Veja nos dias 16, 17 e 18 de agosto de 2019. Foram entrevistados por telefone 2.000 eleitores com idade a partir de 16 anos, nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais.

BOLSONARO X DORIA

Além da disputa com Bolsonaro e Fernando Haddad num eventual 2º turno (hoje o cenário mais provável), a pesquisa testou o atual presidente contra João Doria (PSDB).

Nessa simulação, Bolsonaro teria 45% contra 29% de Doria. Ou

DORIA X HADDAD

A pesquisa da FSB encomendada pela Veja testou outro cenário para 2º turno, entre João Doria e Fernando Haddad.

Nesse caso haveria uma situação de empate técnico no limite da margem de erro do levantamento. O tucano teria 37% contra 33% do petista.

Ou seja, no limite mínimo da margem de erro, Doria poderia ter 35%. E Haddad, no limite máximo, também 35%.

, a vantagem do capitão do Exército seria de 16 pontos percentuais, maior do que contra Fernando Haddad (13 pontos)..

MORO: MENOS VOTOS QUE BOLSONARO

O ex-juiz federal e hoje ministro da Justiça, Sérgio Moro, aparece com 27% numa simulação de 1º turno.

Nessa hipótese testada na pesquisa, Moro entra no lugar de Bolsonaro. O ex-juiz fica com 8 pontos percentuais a menos do que o atual presidente da República. Todos os demais candidatos melhoram, ainda que dentro da margem de erro.

A FSB não testou nenhum cenário de Sérgio Moro no 2º turno.

AVALIAÇÃO DE GOVERNO

Há pouca novidade sobre a aprovação do governo Jair Bolsonaro nesta pesquisa da FSB em relação a outros levantamentos recentes, que indicam a divisão quase equânime da sociedade entre os que aprovam, os que desaprovam e os que são indiferentes (ou não rejeitam nem celebram a administração federal).

Segundo o levantamento da FSB, 33% dos eleitores acham o governo Bolsonaro “regular”. Outros 35% o consideram “ruim” ou “péssimo”. E 30% classificam o comando do Palácio do Planalto como “bom” ou “ótimo”.

É curioso, entretanto, que 45% dos eleitores entrevistados digam que “ao fim do mandato” Bolsonaro fará 1 governo “bom” ou “ótimo”.

AS FALAS DO PRESIDENTE

A FSB perguntou também aos eleitores: “O presidente Jair Bolsonaro tem feito diversas declarações polêmicas sobre temas como ditadura, gênero, aborto, violência, meio ambiente e imprensa. Em recente entrevista, perguntado sobre essas suas falas polêmicas, Bolsonaro declarou: “Sou assim mesmo, não tem estratégia”. Na sua opinião, esse jeito do presidente atrapalha o andamento do seu governo, sim ou não?”.

Para 49%, as declarações controversas de Bolsonaro “atrapalham muito”. Outros 19% acham que “atrapalham mais ou menos” ou “atrapalham pouco”.

Apenas 30% dizem que as falas presidenciais não atrapalham em nada. Esse percentual é idêntico aos que consideram o governo de Bolsonaro “bom” ou “ótimo”. É 1 indicador de que o presidente tem uma espécie de “núcleo duro” de apoio dentro do eleitorado, uma parcela da população que dá suporte a ele em qualquer circunstância –pelo menos até agora.

MORO: O MELHOR MINISTRO

Quando os entrevistadores perguntam quem é o melhor ministro e o 2º melhor ministro, o vencedor disparado é Sergio Moro, que pontua 29% –além de mais 5% como 2º melhor ministro.

Bem atrás, em 2º lugar, vem Paulo Guedes. Para 6% dos entrevistados, o ministro da Economia é o melhor da Esplanada. Outros 6% o colocam como 2º melhor ministro.

RODRIGO MAIA AVANÇA

A FSB perguntou aos eleitores: “Na sua opinião, quem está fazendo mais pelo país hoje?”. As opções de resposta incluíam Bolsonaro, Rodrigo Maia (presidente da Câmara), Davi Alcolumbre (presidente do Senado) e Dias Toffoli (presidente do Supremo Tribunal Federal).

Bolsonaro lidera, com 37%. É uma taxa semelhante ao que ele pontua em simulações de 1º turno numa hipotética disputa presidencial hoje.

Rodrigo Maia vem em seguida, com 22%. É necessário, entretanto, ponderar esse resultado.

A pergunta, tal qual foi formulada, convida os eleitores a escolherem apenas 1 dos 4 nomes listados. Os 2 nomes mais conhecidos do eleitor são Bolsonaro e Maia. Como há no eleitorado uma parcela de 1/3 que quase sempre rejeita o atual presidente, é natural que esse grupo demográfico olhe para as opções da pesquisa e eleja quem pode ser contraponto a Bolsonaro –e aí Rodrigo Maia é beneficiado.

Bem atrás aparecem Dias Toffoli (6%) e Davi Alcolumbre (2%) como os que estão mais fazendo pelo país neste momento.

Poder 360