.

Ivan Leite admite aliança eleitoral entre Adriana e Márcio Sousa

O líder político de Estância, ex-prefeito e empresário Ivan Leite, já não vê como algo distante a possibilidade de a vice-prefeita da cidade, sua esposa, a professora Adriana Leite, ter uma candidatura de prefeita ano que vem e sacramentarem de vez uma ruptura política em relação ao prefeito Gilson Andrade. Ou a de ela fazer parte de outro agrupamento.

Desde o ano passado, quando Adriana Leite foi candidata a deputada estadual e não se elegeu, a relação entre Ivan e Gilson demudou do vinho para o vinagre. Trincou. Recentemente, ao sair do Governo por 15 dias e deixar Adriana no comando da gestão, ela disse que gostara do exercício do mandato e que estaria aberta a disputar um só para ela. Gilson não teria gostado.   

“Ele foi infeliz quando disse que todo reserva quer ser titular um dia”, constatou Ivan Leite. Mas não é uma verdade?, pondera-lhe a Coluna Aparte. “Isso depende da entonação e de como se diz, e a entonação dele não foi a mais adequada”, devolve Ivan.

Já que a situação chegou a esse nível, Ivan Leite fala abertamente dessas outras possibilidades, inclusive de composição com outras frentes políticas do município historicamente oponentes. Na conversa com Ivan Leite, o titular desta Coluna pondera sobre a possibilidade de ambos - ele e Gilson - morrerem politicamente afogados se provocarem uma separação.

“Eu não considero uma morte política fazer com que Márcio Sousa seja eleito”, diz Ivan. E aqui, ele coloca definitivamente em pauta a possibilidade de uma revolucionária - o negrito é da Coluna - aliança entre Adriana Leite e Márcio Sousa, ou de Márcio Sousa e Adriana Leite. Márcio é do PSOL. Adriana, do PRB.

“O nosso relacionamento com Márcio Sousa é muito bom. Não tenho nada contra ele. Muito pelo contrário. Sempre o tratei muito bem, e ele a mim. Mesmo durante as campanhas, o que demonstra postura de caráter”, diz Ivan. Ele diz que faria uma aliança “com ou sem Adriana a vice. Ou com ela sendo candidata a prefeita também”.

Numa aliança dessa, e sobre quem ocuparia que posição na chapa, Ivan Leite se coloca demasiado aberto e estrategista. “Evidentemente que Márcio tem intenção justa e qualificada de ser candidato a prefeito, e não vou desmerecê-lo, dizendo que só conversaremos com ele em apenas um sentido - o de Adriana candidata a prefeita e de ele a vice. Não. Qualquer conversa teria de ser aberta e franca. Que envolvesse as duas possibilidades”, afirma.

A conversa desta Coluna com Ivan Leite sobre este tema foi mantida em tom bem descontraído - ao ponto de Aparte estranhar uma eventual aliança entre seu grupo e o de Márcio Sousa, do PSOL, um partido operário, e classificar a ele de quatrocentão - Ivan é neto do ex-senador e industrial Júlio Leite (6.11.1896 - 6.02.1990), um capitalista moderno. Ao que Ivan reagiu com demasiado bom-humor e com uma história fabulosa entre seu avô e o líder comunista Carlos Prestes, o Cavaleiro da Esperança.

“Na família sempre se contou com muita simpatia um episódio de que quando Carlos Prestes esteve por aí fazendo a sua cruzada com a Coluna Prestes, em alguns desses eventos meu avó Júlio Leite estava presente e foi saudado com muita simpatia pelo Prestes. Aí, depois desta saudação muito simpática da parte do Prestes, alguém reagiu cobrando porque ele tinha se referido a Júlio Leite com tamanha deferência. No que Prestes teria dito: “O Dr Júlio é um burguês progressista”. Então, essa de não ficar incomodado com rótulos não é uma invenção minha. É algo que vem da genética. E um cara que aceita ser candidato a suplente de senador de Rogério Carvalho não pode ser chamado de quatrocentão”, diz Ivan, entre risos.

Vai ver, o PSOL e o PRB vão fazer uma revolução nas alianças políticas a partir de Estância. Embora política não seja água que qualquer passarinho beba.

Fonte: JL Política